body of proof.jpg

Outro caso  dá-se em profissões como a advocacia, em que “é suposto” vestir de forma “elegante” e “clássica” – o que pode ser interpretado de muitas maneiras – sendo que em vários casos, a fatiota traduz tudo menos a discrição e seriedade que o ofício exige que se aparente. Muitas vezes existe um código de vestuário, mas (salvo no caso dos uniformes) longe vão os tempos em que a forma de o utilizar era alvo de inspecção por parte das próprias organizações. Assim, um (a) colaboradora (a) poderá ser avisado (a) se vestir roupa demasiado casual em certas empresas ou instituições, mas dificilmente lhe será apontada a melhor maneira de se apresentar correctamente nesse estilo. A tarefa fica ao critério de cada um e quem não foi habituado, não se interessa por moda ou prefere um estilo muito descontraído pode sentir algumas dificuldades em apresentar “o ar certo” e sentir-se mesmo desconfortável. E estar desconfortável é a pior coisa que se pode fazer em termos de visual, porque não só incomoda o próprio, como se nota à distância.  Há ainda quem não esteja acostumado a usar tailleur, fato ou mesmo traje sóbrio e caia no erro de o fazer, à pressa, quando começa a ir às primeiras entrevistas de emprego. O look maçarico “esta é a minha 1ª entrevista e nunca vesti um fato na vida” é das coisas mais fáceis de detectar: por exemplo, maquilhagem pesada,tailleur demasiado rígido ou largo e/ou de má qualidade acompanhado de cabelo esticado, mas não como deveria (para elas) fato estilo vendedor de  banha da cobra e demasiado gel no cabelo (para eles).

Pior, pessoas assim costumam desleixar-se quando conseguem o emprego desejado e logo que o stress do mesmo as assalta; o visual “esforcei-me demasiado” passa facilmente a roupa amarrotada, sapatos escolhidos ao acaso, camisolas de malha estampada sobre tailleurs e outros faux pas que dão um aspecto pouco cuidado.
 

Desastres comuns…e dicas para os evitar:

– “Fazer o enxoval” de roupa-adequada-para-trabalhar todo de uma vez, às três pancadas e à pressa, vulgo “começo para a semana!”. É má receita porque fica caro, dificilmente encontrará o que procura (principalmente se não souber exactamente o quê, nem onde procurar) está sujeito (a) à oferta que houver nas lojas nesse preciso momento (o que é dispensável quando se trata de roupa clássica, que não passa de moda tão facilmente) não tem tempo para mandar adaptar certas peças na costureira… e muito menos, de as usar um par de vezes para se adaptar a elas.


– Sempre ouvi dizer que uma pessoa deve vestir-se não para o lugar que ocupa mas (dentro do razoável) para o lugar que ambiciona. Considere o seu guarda roupa como um investimento a longo prazo. Vá estando atento (a) à oferta das diferentes marcas, a dicas de pessoas cujo estilo aprecia, observe revistas ou consulte mesmo um personal shopper com provas dadas. Depois, de acordo com o seu tipo de corpo e estilo, vá comprando uma camisa agora, um fato mais tarde, um sapato aqui, um vestido ali, e habitue-se a usá-los (pode ir treinando quando tiver um evento que exija traje social, já que certas toilettes, com as devidas adaptações, se prestam a ambas as circunstâncias). Os saldos e promoções são óptimos para se abastecer de peças assim.

 – Salto demasiado altos: para quem trabalha numa revista de moda poderão ser aceitáveis consoante as tendências, mas em geral há que evitar sapatos que usasse para uma recepção, gala ou para sair à noite. Stilettos ou pumps assassinos no local de trabalho não só são desconfortáveis, provocando um andar estranho (principalmente se não estiver habituada) como transmitem um ar de pouca seriedade, estilo secretária totó de filme para adultos que se transforma em vamp mais minuto, menos minuto. Se forem muito bonitos e relativamente simples, pode usá-los nas festas da empresa. Pumps ou scarpins razoáveis são uma escolha mais sensata para dias normais. Os kitten heels, desde que ligeiramente compensados, também ficam amorosos com calças cigarrette e certas saias, para quem tem pernas elegantes.
 

– Igualmente comum, e muito mau, é ver senhoras usar um fato com mocassins rasos de camurça ou com botas grosseiras. (Não é impossível incorporar botas numa toilette clássica, mas é uma escolha arriscada). Se optar por flats ou outro calçado confortável, escolha umas bailarinas, uma plataforma elegante quase invisível (semelhante à do peep toe abaixo) ou outro modelo delicado. Formas ligeiramente bicudas alongam sempre a figura, mesmo que o salto seja baixo.
                                                     

– Tailleurs ou fatos de má qualidade: se há peças em que um material menos bom pode passar despercebido, esta não é uma delas. Nunca me hei-de esquecer de uma certa Relações Públicas algo rechonchuda que usou um tailleur verde-musgo de tecido elástico e calças curtas, ligeiramente brilhante ao sol, que enrugava e marcava todas as curvas e gordurinhas. Isso nunca pode funcionar: prefira as cores básicas (preto, cinza, azul escuro) e modelagens simples, sem fantasias (calça cigarrete, calça solta e saia lápis) e materiais de confiança, sem brilho nem elasticidade. Poderá ter um blazer mais curto e outro mais longo, um fato claro e um escuro. A quantidade dependerá do seu orçamento e do valor-por uso, mas se possível, escolha alguns que possa coordenar entre si e que condigam com as suas blusas, tops e camisas. O mesmo vale para os cavalheiros: evite materiais estranhos e jamais compre fatos sem os mandar ajustar na loja ou num bom alfaiate. Estes são uma ciência em si mesmos – e a abordar noutro post,  – mas em geral há que evitar tons demasiado escuros (que exigem qualidade, prática e experiência para resultar como devem no uso quotidiano) ombros demasiado largos ou justos e bainhas mal calculadas, como é óbvio.

– Cingir-se ao fato de duas peças, no caso das senhoras: é sempre limitado e para quem o usa diariamente, é necessária uma quantidade razoável. Vestidos elegantes (óptimos porque não precisa de coordenar tantas peças) com uma écharpe, se tiverem mangas compridas, ou sob um blazer, saias lápis ou linha A com um bom casaco (o estilo Chanel ou belle époque é óptimo) e blusas femininas são exemplos de roupas que pode combinar para fazer toilettes clássicas e aceitáveis.

– O efeito “hospedeira de classe económica” ou seja, blazer escolhido ao acaso, que fica largo nas costas, e um lencinho amarrado ao pescoço em laçarote. Lenços e écharpes são dos melhores e mais versáteis acessórios, mas têm de ser de boa qualidade. Se forem e parecerem sintéticos, o efeito é atroz. Também há muitas maneiras graciosas de os usar, com naturalidade – fuja do  visual “caricatura de senhora bem”, especialmente se esse não é o seu estilo habitual. 

clique para ler o resto

Autoria: Imperatriz Sissi

CLIQUE PARA VISITAR O BLOGUE

Relacionados

Moda

Crónica: Em busca da esmeralda: colecções, aquisições e...indoor shopping

Todos já sabemos que verde-esmeralda é a cor do ano. Mencionei-a há dias e estou contente porque adoro esse tom: é rico, sofisticado, tem um toque retro e imprime requinte a peças e acessórios.

Moda

Crónica: Mini guia da Fast Fashion: onde comprar o quê (Parte II)

Continuando o artigo 'Mini guia da Fast Fashion: onde comprar o quê' aqui ficam mais algumas sugestões sobre o que comprar - ou reconsiderar - nas cadeias de fast fashion mais populares e presentes no nosso país.

Moda

Crónica: Mini guia da Fast Fashion: onde comprar o quê (Parte I)

Esta semana falei num aspecto que acho muito importante quando o assunto é compras: onde adquirir o quê. Isto é particularmente verdade se falarmos das lojas fast fashion.

Moda

Crónica: 7 Vícios de Estilo facilmente evitáveis

Está certo que a maioria das pessoas  - pelo menos, as que se interessam pela sua aparência - não têm problemas tão sérios como Kelly Osbourne.  Mas se o aspecto dela mudou de trashy para fantástico em meia dúzia de passos (e emagrecer não foi sequer o mais importante, embora lhe desse mais liberdade de escolha para fatiotas) o que é que um pouco de atenção  fará por quem não precisa de milagres?

Moda

Crónica: Os vestidos fabulosos de Dita Von Teese

Quase todas as mulheres têm um modelo de vestido que sabem que lhes fica a matar (se ainda não têm, deviam encontrá-lo).

Mais no portal

Moda

Saiba como usar lenços para atualizar visuais básicos no dia-a-dia

O lenço está a ser usado de formas inesperadas, com styling que adiciona dimensão e desperta fascínio em relação aos "looks".

Comportamento

9 coisas que podemos dizer a alguém que sofre com ansiedade

"Não te preocupes" não faz, definitivamente, parte da lista.

Comportamento

Psicóloga partilha quatro conselhos para lidar com comportamentos manipulativos

De acordo com uma especialista, estes são os passos que devem ser dados quando existem estas atitudes num relacionamento amoroso.

Celebridades

Esta fotografia de Jennifer Lopez está a ser um sucesso nas redes sociais

Uma imagem na qual são retratadas três gerações.

BeYoga

BeYoga: exercícios para desenvolver o foco e a concentração

Dedicar tempo e energia a si própria é sempre um bom investimento para uma vida saudável e equilibrada. Essa é uma das propostas da rubrica BeYoga.

Finanças de A a Z

Educação financeira para crianças: o que os pais devem transmitir aos filhos

O novo episódio da rubrica Finanças de A a Z partilha algumas dicas para que a poupança faça parte do dia-a-dia dos mais novos.

Saúde

11 alimentos anti-inflamatórios

Ideais para incluir na sua dieta diária!

Moda

Kylie e Kendall Jenner lançam nova coleção de malas

Em parceria com a Deichmann.

Moda

Estes são os sapatos-tendência desta primavera

Há modelos para todos os gostos!

Beleza

10 ideias de penteados fáceis para experimentar na primavera

As temperaturas mais altas pedem truques acessíveis.

Beleza

Este truque é infalível para aplicar o creme de olhos com delicadeza

Puxar ou esfregar esta pele tão delicada pode acelerar o aparecimento de rugas e linhas de expressão.

Beleza

Como manter uma manicure perfeita (e biológica) em casa?

Confira as dicas de uma profissional.