Alizée Gamberini

Amante de moda e apaixonada pelo simples ato de sair de casa com um look no qual se sentisse 100% ela mesma, Nuala Phillips, editora na Vogue espanhola, deu-se conta que, afinal, essa percentagem não estava completamente correta. Isto porque, durante as duas semanas de isolamento que já cumpriu, recheadas de dias de fato de treino, se apercebeu que, no dia-a-dia, pré-quarentena, aquilo que vestia não era somente para si mesma.

A roupa e a nossa forma de vestir são uma carta de apresentação. Uma forma de linguagem que nos relaciona ou classifica dentro da sociedade. Quando vamos a um casamento, sair à noite ou tomar um café, selecionamos a roupa em concordância com o que nos ensinaram ser adequado a esse momento“, resume a psicóloga Maite Prieto.

Ou seja, é claro que, maioritariamente, nos vestimos da forma que gostamos. A questão é que há uma percentagem do nosso estilo que não é só nossa. Cada peça de roupa está associada a um determinado significado e vesti-la passa uma mensagem. “O ser humano é mamífero, a manada é parte do seu ser. Vestir-se de uma forma ou de outra é um modo de dialogar com a sociedade“, acrescenta a psicóloga.

Alizée Gamberini

Posto isto, durante o período de quarentena, o sentimento é de alguma liberdade. Quando não há ninguém a ver, como é que nos vestimos? Como afirma a autora, agora “criamos as nossas próprias leis: comemos quando temos fome, dançamos quando queremos danças e também nos vestimos como nos apetece. Agora, de verdade“.

Mas, afinal, porque é que nos sentimos melhor quando nos arranjamos e vestimos algo que não o pijama ou um fato de treino?

A resposta é simples: aquilo que nos ensinaram estar “certo ou errado” continua presente nas nossas mentes. “Muitos de nós selecionam a roupa à procura de repetir ou evitar reações passadas. Tudo isto são peças de um puzzle que vai formando a nossa imagem pessoal e a nossa autoestima“, clarifica Maite. Posto isto, ao nos vestirmos normalmente, mesmo estando em casa, fazemo-lo para um “público imaginário” ou, hoje em dia, para o das redes sociais, de modo a recriar a essência daquilo que já nos fez sentir bem.

Uma coisa é certa: é difícil sermos 100% nós quando estão outras pessoas a ver – esta é uma tarefa que requer romper com todas as convenções sociais e demora muito tempo a ser alcançada. Todos criamos, no dia-a-dia, uma certa performance que não desaparece totalmente quando ficamos fechados em casa. Daí nos sentirmos melhor com uma roupa que consideramos “mais bonita” e não “de casa”.

Aimee Song

Porém, esta quarentena pode servir, precisamente, para nos conhecermos melhor – experimentar diferentes roupas, desde as mais descontraídas às mais sofisticadas, e perceber o que realmente nos faz sentir bem. O vestido justo? A camisa oversized? Os ténis? Os saltos alto? Muito provavelmente, ganhará coragem para fazer aquela seleção de roupa e reduzirá o volume do conteúdo do seu roupeiro. “Se conseguirmos ultrapassar este primeiro momento de angústia que é o de se encontrar consigo mesmo, podemos sair reforçados desta situação“, remata Prieto.

Palavras-chave

Relacionados

Moda

A tendência inesperada que vamos começar a ver em todo o lado

Quando (finalmente) pudermos desfrutar da primavera.

Lifestyle

Moda, beleza, decoração: torne a sua rotina mais confortável, enérgica e até divertida

Ficar em casa é o mote do momento, mas isso não significa deixar de fazer o que mais gosta.

Moda

O coronavírus e a moda: o conforto é o novo luxo

Num mundo em que a cultura do teletrabalho já é mais a regra do que a exceção, este é um dos principais setores afetados.

Mais no portal

Moda

Parfois: 10 malas a menos de 20 euros

Confira algumas das melhores opções para combinar com os seus visuais.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Woman washing her hair in shower
Beleza e Saúde

4 motivos pelos quais não devemos lavar o rosto no duche

Dermatologista explica o porquê e ainda deixa algumas dicas.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.

Beleza e Saúde

Pasta de dentes nas borbulhas: sim ou não?

Será este um mito ou haverá algum fundamento?

Celebridades

Kelly Clarkson diz que o divórcio a apanhou de surpresa

A artista foi casada com Brandon Blackstock durante sete anos.

LONDON, UNITED KINGDOM - NOVEMBER 09: (EMBARGOED FOR PUBLICATION IN UK NEWSPAPERS UNTIL 48 HOURS AFTER CREATE DATE AND TIME) Prince Andrew, Duke of York attends the opening the Francis Crick Institute by Queen Elizabeth II on November 9, 2016 in London, England. The Francis Crick Institute will be a world leading centre of biomedical research. (Photo by Max Mumby/Indigo/Getty Images)
Celebridades

Príncipe André é "viciado em sexo", alega livro

A obra contém testemunhos de várias mulheres que afirmam ter mantido relações com o membro da realeza britânica, através do contacto de Jeffrey Epstein.

Moda

Tezenis lança coleção cápsula inspirada em famosa série da Netflix

Várias peças com um toque de 'nuestros hermanos'.

Moda

Nova marca de moda sustentável chega ao Porto

A aposta é na seda e no tingimento natural.

Inspirações

Alba Batista e a beleza interior: "reflete-se no olhar"

A atriz é a estrela da produção de capa da ACTIVA de setembro.

Beleza e Saúde

Nutrição: 5 mitos que podem estar a arruinar a sua saúde

Saiba como adotar uma dieta mais "descomplicada".