Alizée Gamberini

Amante de moda e apaixonada pelo simples ato de sair de casa com um look no qual se sentisse 100% ela mesma, Nuala Phillips, editora na Vogue espanhola, deu-se conta que, afinal, essa percentagem não estava completamente correta. Isto porque, durante as duas semanas de isolamento que já cumpriu, recheadas de dias de fato de treino, se apercebeu que, no dia-a-dia, pré-quarentena, aquilo que vestia não era somente para si mesma.

A roupa e a nossa forma de vestir são uma carta de apresentação. Uma forma de linguagem que nos relaciona ou classifica dentro da sociedade. Quando vamos a um casamento, sair à noite ou tomar um café, selecionamos a roupa em concordância com o que nos ensinaram ser adequado a esse momento“, resume a psicóloga Maite Prieto.

Ou seja, é claro que, maioritariamente, nos vestimos da forma que gostamos. A questão é que há uma percentagem do nosso estilo que não é só nossa. Cada peça de roupa está associada a um determinado significado e vesti-la passa uma mensagem. “O ser humano é mamífero, a manada é parte do seu ser. Vestir-se de uma forma ou de outra é um modo de dialogar com a sociedade“, acrescenta a psicóloga.

Alizée Gamberini

Posto isto, durante o período de quarentena, o sentimento é de alguma liberdade. Quando não há ninguém a ver, como é que nos vestimos? Como afirma a autora, agora “criamos as nossas próprias leis: comemos quando temos fome, dançamos quando queremos danças e também nos vestimos como nos apetece. Agora, de verdade“.

Mas, afinal, porque é que nos sentimos melhor quando nos arranjamos e vestimos algo que não o pijama ou um fato de treino?

A resposta é simples: aquilo que nos ensinaram estar “certo ou errado” continua presente nas nossas mentes. “Muitos de nós selecionam a roupa à procura de repetir ou evitar reações passadas. Tudo isto são peças de um puzzle que vai formando a nossa imagem pessoal e a nossa autoestima“, clarifica Maite. Posto isto, ao nos vestirmos normalmente, mesmo estando em casa, fazemo-lo para um “público imaginário” ou, hoje em dia, para o das redes sociais, de modo a recriar a essência daquilo que já nos fez sentir bem.

Uma coisa é certa: é difícil sermos 100% nós quando estão outras pessoas a ver – esta é uma tarefa que requer romper com todas as convenções sociais e demora muito tempo a ser alcançada. Todos criamos, no dia-a-dia, uma certa performance que não desaparece totalmente quando ficamos fechados em casa. Daí nos sentirmos melhor com uma roupa que consideramos “mais bonita” e não “de casa”.

Aimee Song

Porém, esta quarentena pode servir, precisamente, para nos conhecermos melhor – experimentar diferentes roupas, desde as mais descontraídas às mais sofisticadas, e perceber o que realmente nos faz sentir bem. O vestido justo? A camisa oversized? Os ténis? Os saltos alto? Muito provavelmente, ganhará coragem para fazer aquela seleção de roupa e reduzirá o volume do conteúdo do seu roupeiro. “Se conseguirmos ultrapassar este primeiro momento de angústia que é o de se encontrar consigo mesmo, podemos sair reforçados desta situação“, remata Prieto.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Moda

A tendência inesperada que vamos começar a ver em todo o lado

Quando (finalmente) pudermos desfrutar da primavera.

Lifestyle

Moda, beleza, decoração: torne a sua rotina mais confortável, enérgica e até divertida

Ficar em casa é o mote do momento, mas isso não significa deixar de fazer o que mais gosta.

Moda

O coronavírus e a moda: o conforto é o novo luxo

Num mundo em que a cultura do teletrabalho já é mais a regra do que a exceção, este é um dos principais setores afetados.

Mais no portal

Comportamento

3 motivos para o sexo (por vezes) causar apego emocional

Eis a explicação de uma especialista, mestre em Sexologia.

Saúde

Os testes de ovulação valem mesmo a pena quando se tenta engravidar?

Esta é uma das formas de identificar o período fértil.

Beleza

O que há de novo na maquilhagem que vale a pena descobrir

Para os olhos, lábios e uma pele imaculada.

Celebridades

Ryan Reynolds afasta-se dos ecrãs

O ator anunciou uma pausa na carreira.

Beleza

Saiba como combater e prevenir a queda de cabelo sazonal

Um problema que é muito comum nesta altura do ano.

Beleza

7 passos para cuidar da pele antes de dormir

Uma rotina tão importante quanto a matinal.

Moda

4 peças em cabedal que são must-haves para o outono

E como usá-las.

Saúde

iMM-Laço Hub nasce como uma nova esperança na luta contra o cancro da mama

Com um laboratório focado na investigação em cancro da mama metastático e uma equipa especializada.

Moda

The Bra Stories: uma campanha pela luta contra o cancro da mama

Assinada pela C&A.

Moda

Andreia Dinis lança marca de roupa

Sugar n’Spice Concept é o novo projeto online da ariz.

Lifestyle

Neste hotel, a reserva de duas noites equivale à oferta da terceira

Aproveite uns dias relaxantes no campo.

Moda

À conversa com Diego Sebastian, criador da campanha 'Family Portraits' da Mango

Uma campanha não são apenas fotos bonitas dos produtos de uma marca. A mensagem é muito mais importante porque a forma como nos relacionamos com o mundo é essencialmente emocional. Daí ser curioso conversar com o homem que se esconde por detrás de uma das mais bem sucedidas campanhas da marca espanhola.