Não tenho qualquer direito a escrever sobre o Pedro. Nem mesmo enquanto conhecido. Ele foi um dos primeiros. Estava eu a começar, tímido e fechado na minha bolha, quando me disseram que o ia vestir.
Recebeu-me de braços abertos, de sorriso na cara e com um “Acertaste à primeira, rapaz”.

Profissionalmente, foi o nosso primeiro e último encontro. Depois disso, cruzámo-nos algumas vezes, e eu fui sempre “o rapaz” que merecia um “Olá” ou um “Estás a crescer”. Creio que nunca tenha sabido o meu nome.
Mas lembrava-se de mim, e ser “o rapaz” chega-me. Mas não é sobre o Pedro que quero falar. Pois como disse, não está em mim qualquer direito de o poder fazer.

Quero escrever-vos sobre esta “coisa” que se chama saúde mental, que me é tão próxima quanto a moda – ou, quiçá, mais. A saúde mental não se vê. Sente-se. Não pode ser medida e tão pouco serve de moeda mais ou menos válida entre pessoas. Não há duelos dolorosos. Não há a quem doa mais. Dói e ponto. E enquanto continuarmos a atirar a saúde mental para debaixo do tapete, notícias como esta vão continuar a inundar noticiários, redes sociais e jornais.

A cura (ou tentativa de) para a saúde mental está na prevenção. Está no, não ter de ser de se pagar 50 euros para ser ouvido por um psicólogo ou 60 euros por um psiquiatra. Porque quando tentamos recorrer ao serviço público, temos de esperar dias, semanas, meses… Quando queríamos e precisávamos de ser ouvidos ontem. Está no pedir ajuda.

Enquanto nos próprios hospitais a saúde mental for desvalorizada, e seja merecedora de uma bonita pulseira verde (no máximo amarela, quando já reviramos os olhos), este efeito de bola de neve não vai parar.
Psico patologias sempre existiram. Têm agora nomes diversos e são contempladas nos mais diversos manuais.

Diz o meu atestado clínico que sofro de (e vivo com) Perturbação de Pânico com aplicação dolorosa e dor crónica. Mas, meus caros, de que me serve um nome pomposo na testa se aos olhos do serviço nacional de saúde o meu problema é secundário?! Porque não se vê? Porque não verte sangue ou não me deixa manco?

É serviço público ajudarmos aqueles que vemos debilitados. Porque dificilmente vão ser eles a dar o primeiro passo. E não me venham com a “treta” do “mas a vida é del@, eu não me posso meter”. Porque depois choramos em uníssono as mortes que não tendem a parar.

Bem sei que este artigo não é sobre moda. Que fui além daquilo que semanalmente me é pedido.
Mas sempre disse que, enquanto me sentisse capaz de, iria sempre tornar a minha voz ativa para todos os assuntos que acho merecedores de debate.

Aos do Pedro, um abraço.
Aos que sofrem em silêncio, não estão sozinhos.

Palavras-chave

Relacionados

Moda

Chegou a coleção "Sibling" — uma ode à união e à igualdade

Apresento-vos a segunda coleção da marca "No Gender". Um projeto especial, cuja campanha conta com a participação de alguns elementos da minha 'tribo': Sharam Diniz, Joana Alvarenga e Pedro Barroso.

Moda

Chegámos ao mês de todas as cores - e estas quatro marcas não desiludiram

Junho é o mês aperfilhado pela comunidade LGBTI+. Com ele, todos os anos chegam também muitas coleções de moda e campanhas especiais.

Moda

Ser criança…

Uma reflexão de Mário de Carvalho, autor da rubrica No Gender, sobre o 1 de junho.

Mais no portal

Moda

Soluções de roupa interior para mulheres que têm mamas assimétricas

Neste episódio da rubrica Imagem de Sucesso, deixo algumas dicas para quem tem seios de tamanhos, formas, posições ou volumes diferentes.

Beleza e Saúde

Experimentei um hidratante facial caseiro que só leva um ingrediente

E estou aqui para contar os resultados. Não se deixem enganar pela imagem - garanto que o creme não ficou branco, muito menos tão artístico.

Celebridades

Ariana Grande assume novo namorado

A artista partilhou fotografias bastante explícitas.

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel