Ella Jones, 65, tornou-se a primeira mulher negra a ser eleita presidente da Câmara Municipal de Ferguson, nos Estados Unidos, nesta terça-feira, 2 de junho. O momento histórico acontece quase seis anos depois de a cidade irromper em protestos na sequência da morte de Michael Brown, que apontou os holofotes nacionais e internacionais para o município e galvanizou o movimento Black Lives Matter.

Para contextualizar: localizada no estado americano do Missouri, Ferguson tem uma população de menos de 22 mil habitantes e status de cidade desde 1894. Desde então, a câmara foi comandada apenas por homens brancos, a despeito de uma população formada em quase 70% por negros. Com o resultado das eleições municipais, Jones quebrou o ciclo não só pelo seu tom de pele, mas também por ser mulher.

Esta vitória, com 54% dos votos, atraiu novamente o olhar do mundo para Ferguson, que já foi o palco principal de protestos semelhantes aos que, nos últimos dias, se espalharam pelos Estados Unidos contra o racismo e a violência policial. Em 2014, o adolescente Michael Brown, de 18 anos, foi alvejado e morto por um polícia branco, e este foi um dos casos que alanvancaram o movimento Black Lives Matter, cujo catalisador mais recente foi o assassinato do ex-segurança George Floyd sob a custódia da polícia de Minneapolis, no Minnesota. 

“A minha eleição dá esperança às pessoas”, disse Ella no dia 3 de junho, citada pelo “The New York Times”. “Toda a gente está à procura de mudanças. Toda a gente quer ter um estilo de vida melhor. Ninguém quer sair à rua, andar quarto quarteirões e temer ser alvejado; ninguém quer isso. As coisas estão a começar a mudar. Estamos a fazer mudanças”, continuou. “Eu tenho vivido na injustiça durante toda a minha existência. Não fiquei exposta a ela porque me tornei um membro da Câmara Municipal”.

Barack Obama, o ex-presidente dos Estados Unidos, escreveu sobre a vitória no Twitter. “Um lembrete da diferença que a política e o voto podem fazer para mudar quem tem o poder de transformar uma comunidade como Ferguson, com um histórico de práticas discriminatórias na aplicação da lei”. 

Moradora de Ferguson há mais de 40 anos, Ella é também pastora da Igreja Episcopal Metodista Africana, a primeira denominação protestante independente a ser fundada por pessoas negras. Em 2015, tornou-se a primeira mulher negra na Câmara Municipal. Apesar da sua postura crítica ao sistema de segurança pública e ao impacto desproporcional que este tem na comunidade da qual faz pare, na altura, não se posicionou diretamente a favor dos protestos que tomaram a cidade.

Mais recentemente, prometeu continuar as mudanças promulgadas após o homicídio Michael Brown, incluindo um decreto federal de consentimento, ou seja, um acordo juridicamente vinculativo que exige reformas no departamento de polícia. Além disso, deixou claro que é a favor das manifestações pacíficas, tendo condenado a violência registada em várias cidades americanas, numa tentativa conjunta de exigir justiça para George Floyd.

Jones sucederá James Knowles III, que é presidente da Câmara Municipal de Ferguson desde 2011 e não pôde concorrer à reeleição por causa dos limites de mandato. A candidata perdeu para Knowles em 2017, sendo que nessas eleições fez uma campanha porta a porta para se apresentar aos munícipes. Depois da derrota, revelou que muitos moradores negros lhe disseram que não acreditavam que a sua eleição fosse mudar o destino daquela comunidade e questionaram Ella sobre os progressos que tinha alcançado em dois anos como membro do Conselho da Cidade.

“Se foste oprimido durante tanto tempo, é difícil haver abertura a uma nova ideia”, afirmou. “E quando foste governado pelo medo e as pessoas dizem que a cidade vai entrar em declínio porque uma americana negra estará no comando, tende-se a ouvir a retórica e não abrir a mente a novas possibilidades”.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Celebridades

O discurso emocionado de Meghan sobre o racismo nos Estados Unidos

A duquesa de Sussex deixou uma mensagem aos alunos finalistas do liceu que frequentou em Los Angeles e emocionou-se falar de George Floyd e de outras vítimas de racismo na América.

Celebridades

Paulo Pascoal: "Temos de deixar de ver os negros como 'os outros'"

Falámos com o ator Paulo Pascoal sobre o significado do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, e o impacto que este teve (e continua a ter) em todo o mundo.

Celebridades

Jon Legend reage a provocação racista: "A desumanização sempre foi uma forma de racismo e subjugação dos negros"

Descubra o que pensa o artista tem a dizer sobre o paparazzo que lhe chamou "macaco".

Mais no portal

Celebridades

Tom Felton atualiza estado de saúde após ter sido transportado para o hospital

O ator de 'Harry Potter' sentiu-se mal durante uma partida de golf.

Lifestyle

Netflix cancela série com mistério por resolver

Saiba qual!

Lifestyle

55% dos portugueses gostaria de viajar com os animais de estimação

A revelação é de um estudo da eDreams.

Lifestyle

Onde acampar este outono?

Confira 10 sugestões.

Moda

Josefinas lança a mala de outono perfeita

Chama-se 'The Bucket Bag' e está disponível em três cores.

Comportamento

9 características das relações bem-sucedidas

Saiba se a sua preenche todos os "requisitos".

Saúde

Dois grandes mitos que a estão a impedir de atingir aquele número na balança

Conheça-os e saiba como os ultrapassar.

Lifestyle

BoatLovers: um barco aqui tão perto

Para tornar muito mais fácil alugar ou comprar um barco nasceu esta empresa, dos fundadores da HomeLovers.

Saúde

Viver Sem Fumo: o método criado por Cristiana Machado, que garante resultados em 15 minutos

Lifestyle

Afinal, por que motivo usamos a aliança na mão esquerda?

Explicamos tudo.

Saúde

Estes alimentos típicos da cozinha japonesa podem ajudar-nos a viver mais anos

Gosta de molho de soja? Então este artigo é para si.