Nem a final do último Campeonato Mundial de Futebol deixou tantas pessoas com os nervos em franja como as eleições de 2020 nos Estados Unidos da América.

Enquanto o mundo aguarda pelo resultado da contagem de votos em Estados decisivos como, por exemplo, o Nevada e a Geórgia, várias cidades e unidades deste país federal já declararam os vencedores eleitos para importantes cargos locais e federais.

Uma das boas notícias que nos chega das terras do Tio Sam é que as quatro congressistas democratas conhecidas como “The Squad” – Alexandria Ocasio-Cortez (Nova Iorque), Ilhan Omar (Minnesota), Ayanna Pressley (Massachusetts) e Rashida Tlaib (Michigan) – foram reeleitas. Desde que chegaram aos respetivos cargos públicos pela primeira vez, em janeiro de 2019, as legisladoras, todas de minorias étnicas, eletrificaram a base progressista da esquerda e causaram furor nas redes sociais.

Contudo, também atraíram a ira do presidente Donald Trump ao defenderem o meio ambiente, um sistema de saúde para todos e, claro, os direitos das mulheres, dos imigrantes e das famílias com baixos rendimentos. 

Conheça-as melhor, abaixo.

​Alexandria Ocasio-Cortez

Em 2018, esta americana descendente de porto-riquenhos tornou-se a mais jovem mulher a ser eleita para o Congresso americano –  na altura tinha 29 anos. Hoje, aos 31, celebra a reeleição como congressista do distrito Queen-Bronx, de Nova Iorque, com 68,5% dos votos. 

Apesar de surgir como um contraponto vivo a um Partido Republicano masculino, branco e rural – e de ter provocado a ira de quase todos os cantos do movimento conservador – não se deixou intimidar. Durante o primeiro mandato, colocou questões importantes em pauta, entre elas o Green New Deal, um plano de proteção ambiental para garantir 100% de energias limpas até 2050. Para além disso, também faz parte do Comité de Serviços Financeiros do Congresso, que é responsável pela regulamentação bancária. 

Com 7,7 milhões de seguidores no Instagram e outros 9,7 milhões no Twitter, AOC (como é conhecida) é um fenómeno entre os millennials no eleitorado, faz discursos feministas, defende a equidade na política e na sociedade, luta pelas minorias e pela classe trabalhadora. “A nossa irmandade é resiliente”, partilhou nas redes sociais sobre a reeleição de toda a “Squad”.

Ilhan Omar

A congressista do 5º distrito de Minnesota também foi reeleita com uma folga confortável, com 64,5% dos votos. Ilhan Omar chegou aos EUA com 12 anos, a fugir de uma guerra civil na Somália, o seu país natal, e da fome num campo de refugiados no Quénia. O seu ‘segundo’ na América chegou ao apogeu em novembro de 2018, quando foi eleita para a Câmara dos Representantes, tornando-se a primeira mulher somali, a primeira cidadã naturalizada e uma das primeiras mulheres muçulmanas a ter um lugar no Congresso americano.

A democrata também passou a ser vista como um símbolo da oposição às ideias conservadoras e anti-imigração de Donald Trump. Aliás, as suas principais causas envolvem a crise dos imigrantes e refugiados, o acesso à educação de qualidade, um sistema de saúde para todos e os Direitos Humanos.


“Isto é só o início. Vamos continuar a lutar pela união e justiça – todos os dias. Para construir uma sociedade mais conectada, devemos usar os nossos recursos para nos elevarmos uns aos outros, para que possamos beneficiar coletivamente. Esse é o tipo de liderança que continuarei a trazer para o Capitólio”, escreveu sobre o início do segundo mandato.

Ayanna Pressley

Com 87,3% dos votos, a representante do 7º distrito congressional de Massachusetts foi reeleita para o cargo. Nascida em Cincinnati e criada em Chicago, Ayanna sempre teve uma educação em prol dos Direitos Humanos, muito influenciada pela mãe, que a criou sozinha. 

Pressley fez história ao tornar-se a primeira mulher negra a ser eleita pelo estado que representa, em dezembro de 2019, e apresentou um projeto de reforma na justiça criminal para evitar o encarceramento em massa Também é defensora das causas da comunidade LGBTQ+ e, claro, das mulheres.

“Juntos, lutamos pela nossa humanidade partilhada. Nós organizámo-nos. Nós mobilizámo-nos. Nós legislámos os nossos valores. Tenho muito orgulho em ser a vossa congressista e parceira no trabalho. Eu acredito no poder do ‘nós’. E estamos apenas a começar”, disse no Twitter.

Rashida Tlaib

Representante do 13º distrito congressional do Michigan, a advogada descendente de palestinianos nasceu e foi criada em Detroit, sendo a mais velha de 14 irmãos. É uma crítica ferrenha de Donald Trump e tem agitado a política americana desde que fez história, em 2018, como a primeira de duas mulheres muçulmanas a ser eleitas para a Câmara dos Representantes dos EUA.

Tlaib ficou conhecida por lutar contra as empresas milionárias que poluem o seu estado natal. As suas causas políticas abrangem ainda os conflitos entre Israel e Palestina, as violações dos Direitos Humanos que acontecem na Arábia Saudita, a crise migratória e a descriminalização do aborto.

“Para todos os meus residentes do 13º distrito: obrigada pela vossa fé em mim, para que eu continue a lutar pelas nossas comunidades Western Wayne + Downriver + Detroit + Highland Park. Eu nunca vou desistir porque vocês merecem alguém que não vos traia e que estará sempre enraizado na comunidade”, afirmou na rede social Twitter, depois de confirmado o segundo mandato.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

ASSINE AGORA A REVISTA ACTIVA COM OFERTA ISDIN. DEIXE-SE INSPIRAR. Saiba tudo aqui. ASSINAR

Relacionados

Mulheres Inspiradoras

A grande vencedora das eleições nos EUA é a representatividade

Enquanto aguardamos que a contagem dos votos nos Estados Unidos chegue ao fim e que o mundo deixe de estar à beira de um ataque de nervos, partilhamos boas notícias que nos chegam destas eleições.

Mulheres Inspiradoras

10 coisas que provavelmente não sabia sobre Kamala Harris

A candidata democrata à vice-presidência dos Estados Unidos é uma mulher multifacetada, que muito cedo decidiu dedicar a vida ao serviço público.

Mulheres Inspiradoras

Depois de ser insultada no Capitólio, Alexandria Ocasio-Cortez dá lição de decência em discurso viral

Durante um debate na Câmara dos Representantes, a congressista democrata condenou a aceitação generalizada da violência contra as mulheres.

Mais no portal

Beleza

A luz azul causa o chamado envelhecimento digital — entenda o que é e como prevenir

Um fenómeno que se caracteriza pelo aparecimento precoce de rugas, linhas de expressão e manchas.

Activa Verde

Ao comprar na C&A, estará a ajudar a plantar árvores

E habilita-se a ganhar uma bicicleta elétrica.

Lifestyle

Participe neste leilão para ajudar animais em risco

Estão há disposição 14 trabalhos de pintura, ilustração, cerâmica, design de moda e joalharia.

Moda

Este casaco está a tornar-se um fenómeno de popularidade

Sem dúvida é uma aposta ganha no que diz respeito a armários cápsula para a nova temporada.

Moda

10 visuais de inverno que estamos prontas para começar a usar agora

Estas combinações fogem ao clássico e, por isso mesmo, são uma lufada de ar fresco.

É só uma sugestão

Tratamento de beleza das estrelas de Hollywood chegou a Portugal - saiba onde fazer!

Disponível no Tivoli Marina Vilamoura e no Tivoli Carvoeiro graças a uma parceria com a marca Natura Bissé. Nós já testámos e contamos como foi a experiência.

Saúde

Bruxismo: 5 causas por detrás deste problema

O que provoca o hábito de ranger os dentes durante o sono e como o contornar.

Lifestyle

5 sugestões para a noite de Halloween

Opções para todas as idades.

Celebridades

Chrissy Teigen revela que ficou "feliz" por ter sido cancelada

Um escândalo de cyberbullying abalou a vida e carreira da modelo no verão passado. Teigen falou sobre o assunto na primeira entrevista televisiva desde o ocorrido.

Celebridades

Kourtney Kardashian e Travis Barker podem vir a ser os reis deste Halloween

Os dois foram as primeiras celebridades a surgirem mascaradas este ano.

Celebridades

Angelina Jolie parece ter eliminado tatuagem sore Brad Pitt

Uma marca que tinha no braço.

Celebridades

Alec Baldwin poderá enfrentar acusações criminais por acidente fatal na rodagem de "Rust"

Na sequência da morte de Halyna Hutchins, a hipótese não foi descartada pelas autoridades.