Ana Leovy é jovem, mexicana e é mulher. O último elemento não é inocente. É este que define e dá corpo ao seu trabalho. Descobriu no guache e nos acrílicos as ferramentas para desenhar o seu mundo. Um mundo de mulheres fortes, que retrata a sua beleza exterior e interior e não busca a perfeição das formas. Um universo que conquistou a Mango e que levou a marca espanhola a desafiar Ana para desenhar uma coleção cápsula que assinalar o Dia da Mulher. O resultado são duas t-shirts e uma tote bag para a linha Woman, que exibem ilustrações da artista e foram confecionados com materiais sustentáveis. 

O pretexto foi perfeito para conversarmos com Ana, nascida no México, cuja infância passou na exuberante cidade de Cancun e que se ‘educou’ enquanto artista em Espanha. Regressada a casa e é na Cidade do México que instalou o seu atelier, onde as formas das suas mulheres se fundem com as cores quentes da América do Sul.

Quando é que soube que o seu caminho era ser artista?

Desde pequena que me interessei por Arte, mas encarava pintora como um sonho. Procurei uma carreira criativa onde pudesse brincar com desenho e pintura ocasionalmente… Talvez naquela época não tivesse coragem de arriscar para me dedicar à pintura a tempo integral. Passaram-se anos e muitas coisas pelo caminho, mas a Arte nunca saiu da minha cabeça e a vida de designer não me deixou muito feliz. Descobri um Mestrado em Ilustração Aplicada ao Design em Barcelona e foi nessa época que a preocupação de fazer Arte realmente começou a surgir mais forte do que nunca. Quando voltei para o México, passei algum tempo a fazer as duas coisas ao mesmo tempo, trabalhando no design durante o dia e na Arte à noite. Até que finalmente decidi que, se eu realmente quisesse, deveria colocar toda a minha energia nisso e dedicar-lhe todo o meu tempo.

Como é que os seus pais aceitaram essa decisão?

Felizmente, sempre me apoiaram no que quero fazer, embora de início não gostassem muito da ideia de que eu me dedicasse às artes plásticas por causa de todos os preconceitos económicos que há sobre os artistas. Incentivaram-me mais a seguir um caminho criativo onde pudesse encontrar as melhores ferramentas para me preparar para o futuro, e foi aí que decidi estudar Design Gráfico. Quando deixei o design pela Arte, apoiaram cem por cento a minha decisão, sabiam que o design não estava a preencher-me e que eu levava muito a sério a pintura. Adoro partilhar os meus projetos com eles porque, mais do que ninguém, conhecem todo o esforço que fiz para alcançá-los.

Como é que se apaixonou pelo desenho de contorno cego?

Descobri o contorno cego aos 16-17 anos, estava a estudar em Toronto na época e a matéria de Arte na escola que frequentei foi a melhor que já fiz na minha vida. Quando o professor nos ensinou a técnica, fiquei nstantaneamente obcecada. Achei o processo muito libertador e os resultados são sempre interessantes. Adoro essa distorção que é criada no papel ao traçar o objeto que estamos a ver e também me ajuda muito a trabalhar a paciência e a observação. Agora gosto de usar o contorno cego como uma ferramenta, um exercício para descobrir a minha criatividade e aprender a soltar minha mão; Não aplico no meu trabalho como está, mas definitivamente tem sido um dos maiores influenciadores na criação de personagens com o meu estilo atual.

Lembre–se da primeira vez que ganhou dinheiro com seu trabalho e pensou “posso viver a fazer o que mais gosto”?

As primeiras obras que vendi foram para familiares e amigos próximos, mas naquela época não encarava viver só da Arte como algo viável. Acho que realmente comecei a acreditar que era possível quando fiz uma ilustração inspirada na primeira coleção da marca de roupas Alexa Chung, e a sua equipa procurou-me porque gostaram muito do meu trabalho e queria comprá-lo para tê-lo nos seus escritórios. Não conseguia acreditar que alguém que tanto admirava se interessasse pelo meu trabalho

Nas suas pinturas, não vemos a mulher perfeita. Pelo contrário. O que o atrai para a “desproporção” das formas?

Nunca fui fã do hiperrealismo, embora admire os artistas que escolhem esta técnica porque exige muito talento e dedicação. Pessoalmente, não gosto de aplicá-lo no meu trabalho porque sempre fui mais atraído por rostos e formas exóticas, que não são “perfeitas”. Acho muito mais interessante brincar com esses elementos e criar as minhas próprias realidades. Também com isso estou interessado em promover a autoaceitação e aplaudir o que nos torna únicos; colocar de lado essa ideia de que tudo deve ter um certo tamanho e uma certa cor

Como é que define sua relação com as cores? Há muita cultura mexicana e sul-americana que captamos imediatamente …

Brincar com as cores é a parte que mais gosto no processo criativo. A verdade é que procuro não impor demasiadas regras. Gosto de fazer isso intuitivamente e experimentar em movimento. Como disse, definitivamente há alguma influência da minha própria cultura, ver tanta cor no meu ambiente é algo com que cresci e que sempre me inspira no meu trabalho.

O seu trabalho é inegavelmente feminista. Acha que a arte é uma forma de despertar consciências?

Ao todo, a arte teve e sempre teve um grande poder de transformar a história e a forma como a vemos. Tem a capacidade de nos conectar independentemente de quem somos e de onde viemos, e é quando nos conectamos com algo que as mudanças são geradas.

Numa entrevista, afirmou que a sua vida mudou quando começou a trabalhar com ilustração de moda. O que é que adora nessa forma de se comunicar?

Sempre gostei muito de moda, a tal ponto que em algum momento pensei em me dedicar a ela. Incorporar isso ao meu trabalho é como um jogo.

Como surgiu essa associação com Mango?

Há alguns meses, já com a pandemia, procuraram-me para fazer um live no Instagram, onde eu explicaria e mostraria um pouco do meu processo criativo. Essa foi a primeira abordagem que tivemos e, alguns meses depois, fui convidada a colaborar neste projeto. Achei superinteressante fazer algo para comemorar o Dia da Mulher e fazê-lo com a Mango, uma marca de que gosto há anos. Essa experiência foi uma honra para mim

Sabia imediatamente o que queria fazer? Ou foi um processo gradual?

O processo inicial foi simples porque, como já se tinham interessado pelos meus trabalhos existentes, selecionei algumas das minhas peças favoritas e, juntos, escolhemos aquelas que acreditávamos que representavam mais a mensagem que queríamos transmitir para esta cápsula.

Há uma mensagem clara que deseja transmitir. Diversidade, empoderamento, valorização do indivíduo e respeito pela diferença. Revê-se nessas palavras?

Definitivamente, são mensagens que repito para mim mesmo antes de mais ninguém, não posso partilhar obras com as quais não me sinto identificado de forma alguma. Acredito que sentirmo-nos fortalecidos, priorizar o amor-próprio e ter empatia com o meio ambiente andam de mãos dadas, não dá para ter um sem o outro e são valores que exigem muito trabalho todos os dias. Incorporar essas mensagens nos meus trabalhos é uma espécie de lembrete pessoal de tudo o que eu sou e o que posso ser. Que mulheres e pessoas de diferentes nacionalidades possam conectar-se com meu trabalho de forma positiva é algo muito bom que valorizo ​​e aprecio muito.

Tem alguma roupa desta coleção cápsula que é sua favorita ou todas são suas ‘filhas’?

Ufa !! As três obras que foram utilizadas para a colaboração são algumas das minhas favoritas e acho que cada uma tem a sua, não consegui escolher apenas uma, a equipa da Mango fez um excelente trabalho para dar vida às minhas peças.

A venda das peças desta coleção cápsula também apoiará uma ONG que apoia mulheres. Qual foi a escolhida e por que motivo?

Os lucros obtidos com a venda desta colecção serão doados à Fundação Vicente Ferrer (FVF) para a promoção dos seus projectos de igualdade de género no sul da Índia. Atualmente, o setor feminino da FVF tem como foco diminuir as brechas de género (especialmente educacionais e económicas), além de combater a violência contra a mulher em todas as suas manifestações e promover o empoderamento, a autonomia e a participação ativa das mulheres na sociedade. A colaboração entre a Mango e a Fundação Vicente Ferrer teve início em 2005 e tem continuado ininterrupta desde então em diferentes tipos de projetos e áreas de atividade da organização.

Palavras-chave

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.