@tanialibano

Quem tem fome tem pressa. E o flagelo é muito maior do que se pode imaginar.

De acordo com a agência Lusa, os portugueses usam cada vez mais as linhas de apoio em crise para relatar que não têm comida para pôr na mesa. Já o Banco Alimentar contra a Fome alerta para o facto de o surto de COVID-19 ter deixado muitas famílias que nunca tinham estado numa situação de pobreza em grandes dificuldades. 

Tânia Serrano, 30, não conseguiu ficar indiferente a esta realidade que conhece bem, por experiência própria. A organizadora de eventos passou oito anos fora de Portugal e viveu em diferentes países, incluindo Espanha, China, Inglaterra e, mais recentemente, a Indonésia. Esteve sempre muito ligada a causas sociais em todos eles, como voluntária. Em Bali, a empresa onde trabalhava foi à falência e deu por si sem dinheiro.

“Tive vergonha de pedir ajuda à minha família e, na altura, foram estranhos que me ajudaram”, conta-nos. “Eu sei perfeitamente o que é ter vergonha de pedir comida ou ter vergonha de pedir ajuda, porque custa-nos, às vezes, admitir que estamos a falhar”.

O regresso ao País coincidiu com o início do segundo confinamento. Sem oportunidades de trabalho na área de formação e inspirada pelo episódio vivido no Sudeste Asiático, Tânia decidiu ajudar os outros de alguma forma. Foi assim que nasceu a ideia de criar uma ação solidária para combater a fome das famílias portuguesas durante a pandemia.

Como foi o processo para dares vida a esta ideia? 

Foi tudo muito ao acaso. Eu já me tinha disponibilizado para ajudar pessoas em situações vulneráveis, através das redes sociais. Entretanto, reparei que um amigo estava a entregar bens alimentares a famílias e ofereci-me para ajudar. Ele ia entrar num reality show e eu acabei por ficar encarregue das entregas pendentes. A palavra passou de boca em boca e, de repente, tínhamos 46 pedidos e imensos donativos.

Qual é o balanço que fazes da primeira ação?

Foi incrível e, ao mesmo tempo, muito bonita. Recebi muita ajuda inesperada de amigos e familiares, e só consegui chegar a tanta gente por causa deles. Entreguei a maioria dos produtos alimentares na área da Grande Lisboa, mas também tinha amigos a mobilizarem-se em Bragança, em Viseu e no Porto. Em apenas quatro dias, conseguimos fazer chegar 22 cabazes a 33 famílias.

Entretanto, a ação escalou e, com essa ajuda preciosa de pessoas próximas, consegui fazer entregas em duas ocasiões a um total de 46 famílias. As coisas só acalmaram em meados de março passado, quando eu fiquei sem donativos.

O número de pedidos de ajuda que recebeste surpreendeu-te?

Bastante! Eu não estava à espera de receber as mensagens que recebi. Aliás, no segundo dia, eu só chorava. Recebi mensagens um bocado fortes com histórias de pessoas que não estavam a conseguir ajuda do Estado. Também percebi que as as associações não estavam a conseguir chegar a toda a gente, por conta do elevado número de pedidos.

Tenho a sorte de a minha mãe estar ligada à área da solidariedade social [Fátima Serrano, secretária-geral da Associação CrescerSer] e eu, pessoalmente, estou muito ligada ao Centro de Acolhimento Temporário Casa da Encosta. Foi através dessa casa que eu consegui ajuda com donativos e tornar esta ação mais credível. Foi uma ajuda enorme.

Sentes que ainda há muita vergonha em pedir ajuda?

Sim! Eu vi muitos casos de pessoas que até estavam bem e ficaram sem emprego. De repente, deixaram de conseguir dar aquilo a que estavam habituados aos filhos. É muito complicado aceitarem que estão nesta situação, especialmente com a pressão de não quererem mostrar aos filhos que estão a sofrer. 

Como é que a tua iniciativa se cruzou com o projeto #todasmerecemos?

Aconteceu em fevereiro passado. Na altura, fui contactada e conheci as pessoas por detrás deste projeto solidário, que é uma iniciativa das ativistas Joana Seixas, Joana Guerra Tadeu e Isabel Abreu e visa promover a vivência baseada em direitos e sustentabilidade da vida menstrual. A partir aí, surgiu a oportunidade de adicionarmos cabazes sustentáveis relacionados com este objetivo aos cabazes de comida. Neste momento, estou a tentar reunir donativos novamente para poder fazer uma nova ação solidária e acrescentar os cabazes doados pelo Todas Merecemos.

Como é que as pessoas podem contribuir?

Eu estou a apoiar-me muito na Casa da Encosta para receber donativos. As pessoas podem entregar bens alimentares – até preferimos assim – no centro de acolhimento ou, se assim o preferirem, também podem fazer uma transferência bancária diretamente para o NIB da Casa da Encosta.

Perante todas as dificuldades, qual é a tua motivação para continuares a fazer estas ações solidárias?

Eu não consigo ficar a olhar e dizer ‘temos de ajudar’; tenho de agir de alguma forma. Se eu sentir que posso fazer a diferença, por mais pequena que seja, vou tentar. Gostava de fazer mais pelo planeta e pelas pessoas, mas, neste momento, não consigo sozinha.

O que queres que as pessoas tenham em mente ao lerem este artigo?

Não sabemos o que se passa por detrás do sorriso de cada um e, obviamente, doar não é uma obrigação. As pessoas só devem ajudar se lhes fizer sentido e, por mais pequeno que seja o donativo, com certeza fará a diferença.

 

Palavras-chave

Mais no portal

Beleza

"Pre-poo": os grandes benefícios deste tratamento para cabelos crespos

E para todos os tipos de caracóis, que estão sempre sedentos de hidratação.

#VozActiva

Isabela Valadeiro: "Se não salvarmos os oceanos, não há futuro"

A nossa protagonista de julho fala sobre a relação com o mar e da necessidade de preservarmosos oceanos no #VozActiva deste mês.

Saúde

5 mitos e verdades sobre proteção solar

O verão chegou esta segunda-feira, dia 21, e nunca é demais recordar a importância de manter a pele protegida. Em qualquer altura o ano.

Moda

Descobrimos onde pode comprar um casaco desportivo igualzinho ao de Bella Hadid

A modelo rendeu-se a uma criação que custa menos de 50 euros.

Comportamento

5 hábitos de bons ouvintes - e como eles podem melhorar relações

Pode parecer simples e intuitivo mas ouvir (mesmo) outra pessoa requer um esforço sincero e muita prática.

Diz Quem Sabe

Saiba como preparar a mente para o regresso ao escritório em seis passos

Um artigo de opinião assinado por Joana Freitas, mental coach e CEO da empresaespecializada em serviços de Gestão de Stress Up Your Mind.

Saúde

Todos juntos para um bom ritmo cardíaco

O Dia Mundial do Ritmo Cardíaco assinalou-se no passado dia 13 de junho e inspirou este artigo de opinião assinado pelo Dr. Rogério Ferreira, médico especialista em medicina interna.

Diz Quem Sabe

Eu sou a minha paixão, não a minha doença

Um artigo de opinião assinado por Elsa Mateus, presidente da Liga Portuguesa Contra as Doenças Reumáticas.

Celebridades

Karlie Kloss mostra os bastidores da nova realidade como mãe

"A primeira saída à noite da mamã", diz a legenda de uma fotografia (literalmente) sem filtros.

Comportamento

Saiba como quebrar um ciclo de procrastinação

Em apenas quatro passos, de acordo com um especialista.

Celebridades

Khloé Kardashian admite que fez rinoplastia

A estrela abriu o coração sobre os rumores de cirurgia plástica num episódio especial de "Keeping Up with the Kardashians".

Moda

Os vestidos de verão que adoramos neste momento

Tem espreitado as novidades da Zara recentemente?