Malala Yousafzai

Com a nova ascensão ao poder dos talibã em Cabul, capital do Afeganistão, diversas restrições estão previstas nas vidas das mulheres do país. O grupo, que tem como objetivo instaurar um Emirado Islâmico, tomou o poder no passado domingo, 15 de agosto, após se ter revelado opressor nos anos 90, com uma política radical islâmica e extremamente controladora da vida das mulheres.

A situação alarmante fez com que a ativista Malala Yousafzai – que viveu a opressão dos talibã no Paquistão e foi vítima dessas mesmas restrições, acabando mesmo por levar um tiro por desobedecer à proibição de as mulheres estudarem – se pronunciasse nas redes sociais a pedir ajuda.

Recentemente, em entrevista à BBC, a jovem fez também um apelo às autoridades:

“Nós estamos a viver num mundo em que falamos sobre avanços, sobre igualdade, igualdade de género e nós não podemos ver um país retroceder décadas ou séculos. Nós temos que tomar medidas ousadas pela proteção das mulheres e meninas, pela proteção dos grupos minoritários e pela paz e estabilidade daquela região”. E acrescentou: “Estamos a ver imagens chocantes nos nossos ecrãs, as pessoas estão a fugir, à procura de uma forma de se manterem seguras. Quando assistimos a isto, percebemos que há uma crise humanitária urgente”.

A ativista, que luta desde a adolescência pelo direito das mulheres aos estudos, destaca ainda a importância do apoio dos governos internacionais à situação:

Eu penso que todos os países têm um papel e uma responsabilidade agora, os países precisam de abrir as suas fronteiras para refugiados afegãos e para pessoas deslocadas. Eu enviei uma carta ao primeiro-ministro Imran Khan, a pedir que permitisse a entrada de refugiados, mas também para garantir que essas crianças tenham acesso à educação, à segurança e proteção para que os seus futuros não sejam perdidos. Eles podem ingressar em escolas locais e podem receber educação dentro dos campos de refugiados”.

A história de Malala

Aos 11 anos, através do pseudónimo Gul Makai, a ativista publicou um diário onde falava sobre os pormenores da vida sob aquele regime e expressava o desejo de permanecer na escola e que todas as mulheres tivessem direito à educação. Foi assim que se tornou conhecida no país, embora o reconhecimento internacional só tenha chegado após ser baleada apenas por querer estudar.

Em 2012, quando tentava ir para a escola, terá sido atingida no rosto por um tiro, disparado por um talibã. Nessa altura, Yousafzai tinha apenas 14 anos. A jovem estaria no autocarro a caminho da escola – algo que os talibãs proibem que as mulheres façam – quando o atentado ocorreu. A recuperação acabou por ser altamente noticiada – o mundo queria saber se, após o ato de coragem, iria sobreviver.

Após ser transferida para o Reino Unido, para continuar com os tratamentos médicos necessários, e depois de ter alta, em 2013, foi nomeada ao Nobel da Paz. No mesmo ano, Malala publicou uma autobiografia, na qual contava todos os pormenores da própria vida, da agressão à recuperação, bem como as expectativas para o futuro das mulheres. Em 2014, ganhou o prémio Nobel da Paz, tornando-se, aos 17 anos, a pessoa mais nova a receber o reconhecimento.

A ativista continua a lutar pelos direitos humanos – especialmente pelo direito das mulheres à educação – e a sua história representa na perfeição os perigos que o regime extremista pode causar na vida de milhões de pessoas, nomeadamente do sexo feminino. Agora, com a nova tomada de poder dos talibãs no Afeganistão, esta luta torna-se, mais que nunca, essencial.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Saúde

A aparência das palmas das mãos pode indicar se tem cancro

Esteja atenta.

Beleza

15 manicures para experimentar no outono

Confira estas sugestões!

Celebridades

Médico legista afirma que Gabby Petito foi assassinada

As autoridades já confirmaram que o corpo encontrado pertence à blogger.

Lifestyle

Quer passar umas férias na casa de Winnie the Pooh?

Uma casa inspirada no Winnie the Pooh, da Disney, no Bosque dos Cem Acres, disponível no Airbnb

Moda

10 casacos para usar na próxima estação

Conheça estas sugestões de diferentes estilos.

Saúde

Os bebés devem ou não usar sapatos?

Veja a explicação de um ortopedista.

Celebridades

Morreu o ator que deu vida a Stanford Blatch, em "O Sexo e a Cidade"

Willie Garson tinha 57 anos.

Comportamento

Diferenças comuns que podem colocar a sua relação em perigo

De acordo com uma psicóloga.

Lifestyle

“Y: O Último Homem” estreia hoje no Disney+

Um drama de 10 episódios baseado na banda desenhada da DC Comics.

Beleza

O que há de novo na beleza: pele acneica, menopausa, antimanchas e muito mais

Os produtos que os ajudam a cuidar melhor da saúde do nosso rosto.

Beleza

Conhece os diferentes tipos de eyeliner?

Saiba como os usar.