Brené Brown

Sou fã assumida de Ted Talks. Para mim, a melhor forma de aprender é a ouvir as experiências e aprendizagens de outras pessoas. Afinal, só falamos com 100% de certezas acerca de algo quando o vivemos de perto ou sobretudo, na primeira pessoa.

Não me lembro bem como é que a minha pesquisa se cruzou com o vídeo de que vos vou falar. Mas não terá sido difícil, até porque conta com mais de 48,5 milhões de visualizações. A protagonista? Brené Brown, professora, autora, investigadora e uma fenomenal contadora de histórias.

A conferência chama-se “O poder da vulnerabilidade” e a forma como Brown a conduz faz com que aqueles 20 minutos pareçam voar. No meu caso, fiquei “agarrada” desde o início. “As relações são aquilo que dá propósito e significado às nossas vidas“, diz. E pronto, estou a ouvir e não tenciono parar.

Sendo eu uma pessoa “de pessoas”, para quem a família e os amigos são o essencial, esta frase foi música para os meus ouvidos. A autora continua e diz que, cerca de seis semanas após ter começado a estudar as relações, deparou-se com algo que as destruía totalmente, de uma forma que nunca tinha visto.

Sem entender totalmente do que se tratava, decidiu afastar-se e dedicar-se por completo a perceber aquilo a que estava a assistir. Chegou à conclusão de que a vergonha e medo eram os dois principais elementos disruptivos nas relações – e que estes estavam fundamentados na vulnerabilidade atroz.

A vulnerabilidade

Afinal, o que é a vulnerabilidade? “A ideia de que, para as relações acontecerem, temos de permitir que nos vejam realmente“, ou seja, temos de ser quem realmente somos, mesmo sem a garantia de que tal vai ser bem aceite ou não.

Após recolher milhares de histórias em seis anos, Brené dividiu os testemunhos em dois grupos: aqueles das pessoas que tinham um grande sentido de mérito e integração, e aqueles das que estavam constantemente a duvidar de si. E focou-se no primeiro.

Eis o que as pessoas desse grupo tinham em comum: coragem (de ser imperfeitas), compaixão (eram gentis consigo mesmas em primeiro lugar) e conexão (com base na autenticidade, em serem elas mesmas e não quem achavam que deveriam ser).

Tudo isto, diz a investigadora, levou à conclusão de que estas pessoas eram também vulneráveis – acreditavam que aquilo que as deixava vulneráveis era o mesmo que as tornava bonitas. Além disso, não definiam a vulnerabilidade como algo bom ou mau, mas sim como algo necessário. Estas pessoas mostravam-se dispostas a fazer algo sem saber o resultado.

O grande problema? É que, por norma, “insensibilizamos a vulnerabilidade” e, ao fazê-lo, de acordo com a autora, também insensibilizamos a alegria. Ou seja, ao vermos esta característica como uma fraqueza que deve ser contrariada, não conseguimos estabelecer relações autênticas, muito menos ser gentis connosco mesmos.

Além desta, outras atitudes comuns que nos impedem de, no fundo, ser felizes são: tomarmos o incerto como garantido; aperfeiçoarmos tudo; e fingirmos que aquilo que fazemos não afeta os outros. Mas há forma de dar a volta.

Estando conscientes de que cometemos todos estes erros, devemos contrariá-los. Brené deixa alguns conselhos: “exponham-se”, “amem sem garantias”, “pratiquem a gratidão e a alegria” e “acreditem que são suficientes”.

É facil falar, não é? E tudo o que é fácil, não tem piada. Por isso mesmo, o melhor é, em vez de apenas ouvirmos conselhos, agirmos em concordância com os mesmos. Um passo de cada vez, e conseguiremos assistir ao impacto positivo de algo tão simples – mas esquecido – que é sermos quem somos.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

#CartaBranca

Aprendi uma lição para a vida com um livro que eu nunca compraria pela capa

Descobri, depois, que foi considerado um dos 10 livros mais influentes de sempre e foi lido por mais de 12 milhões de pessoas.

#CartaBranca

Eis a minha experiência a beber um sumo verde todas as manhãs

Dizem que beneficiam a pele, que nos deixam de bom humor e até que são aliados da perda de peso - e eu decidi fazer o teste.

#CartaBranca

#cartabranca: permissão para fazer mais ou menos o que bem entender

Todas as semanas, no site da ACTIVA, vamos testar diferentes desafios, nas mais diversas àreas, e partilhar os resultados. Junta-se a nós?

Mais no portal

Moda

Esta mala Parfois é um verdadeiro 'must-have'

E está disponível em duas cores.

Comportamento

10 ferramentas essenciais para qualquer relação funcionar

Saiba como tirar o melhor partido da vida a dois.

Celebridades

Amy Schumer remove o útero e o apêndice devido a endometriose

A atriz partilhou a própria história nas redes sociais.

Celebridades

Ashley Graham está grávida de gémeos

A modelo revelou o sexo dos bebés num vídeo que apanhou os fãs de surpresa.

Lifestyle

Packs anti-experiência: uma forma de ajudar quem precisa

A PAR e FNAC juntaram forças no apoio aos refugiados de Cabo Delgado. Ajudar a causa é fácil: adquirir um dos packs Anti-Experiência que já estão à venda nas lojas.

Moda

Iris Apfel: a influencer centenária cria coleção para a H&M

Mulher de negócios, um verdadeiro ícone de estilo, designer de moda e decoradora de interiores, Iris ´uma mulher verdadeiramente inspiradora.

Moda

A coleção-cápsula que celebra o 'athleisure' como nunca viu antes

Pela mão do designer francês Monsieur Christian Lacroix.

Moda

Intimissimi lança novidades para o outono/ inverno

Conheça as novas peças da marca italiana.

Saúde

Zero comportamentos de risco: ilustradora Clara Não ajuda na sensibilização dos jovens para o VIH

No ZEROVIH.PT os jovens podem encontrar informação sobre a infeção e respostas às perguntas mais frequentes em caso de diagnóstico.

Moda

Conheça a coleção de outono Parfois

Da roupa aos acessórios.