*Foram divulgadas duas conversas telefónicas entre Amber Heard e Johnny Depp. Uma foi gravada em 2015, com o consentimento de ambos, como um esforço no sentido de resolver problemas conjugais. A outra foi feita no ano seguinte, em circunstâncias por revelar, já durante a separação.

Não é chocante que um casamento entre celebridades seja de curta duração – e muito menos que acabe envolto em escândalos e polémicas. Contudo, a união entre Johnny Depp e Amber Heard, que durou apenas 18 meses, fez correr mais tinta do que o habitual devido a acusações mútuas de violência doméstica.

Depp começou a ser rotulado como um agressor em 2016, durante o divórcio litigioso, quando a sua agora ex-mulher afirmou que o ator tinha sido “verbalmente e fisicamente violento” durante os quatro anos de relação. Embora algumas pessoas tenham ficado do lado da estrela de “Piratas das Caraíbas” – poucas, sublinhe-se -, a revista norte-americana “The Atlantic” reportou em maio do ano seguinte que “o seu perfil público ruiu” graças às alegações.

Enquanto isso, Heard foi colocada numa espécie de pedestal, tendo beneficiado com o surgimento e popularidade do movimento #MeToo. A atriz tornou-se embaixadora dos direitos das mulheres para a União Americana pelas Liberdades Civis e ativista de direitos humanos junto à Organização das Nações Unidas.

Um Peso e Duas Medidas

Muito antes de o divórcio ser finalizado, a imprensa e, consequentemente, a opinião pública já pareciam ter escolhido um lado. Em 2016, o site “Vox” sugeriu que quaisquer dúvidas sobre a versão de Amber só podiam estar relacionadas com misoginia. A revista “Time” deu  grande destaque a um serviço de anúncio público protagonizado pela atriz e o “The Washington Post” , por sua vez, cedeu-lhe uma plataforma para afirmar que sentiu “toda a força da ira da nossa cultura pelas mulheres que falam” sobre violência doméstica.

A imagem de Heard como uma mulher que luta pelas vítimas continuou imaculada, mesmo quando veio a público que a estrela foi detida em 2009 por agredir a sua ex-companheira, a fotógrafa Tasya van Ree. Johnny Depp não teve a mesma sorte. A notícia da contratação do ator para integrar o elenco de Monstros Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, uma prequela da franquia Harry Potter, foi recebida com manchetes repletas de ataques ao seu caráter.

Agora, duas conversas telefónicas entre o ex-casal, que foram divulgadas no âmbito de um processo legal em curso, sugerem que Heard pode ter sido a principal agressora no relacionamento – ou, pelo menos, que as agressões eram mútuas. 

Curiosamente, as reações dos meios de comunicação têm sido tímidas. Aliás, até à data, muitas das publicações que estavam na linha da frente do julgamento de Depp na praça pública, como é o caso do “HuffPost” e do “The Daily Beast”, ainda não se pronunciaram sobre as novas informações. Além disso, nenhuma organização se distanciou ou tomou uma posição em relação à atriz.

Tempo de Reflexão

Nas gravações em questão, Amber admite que agrediu Depp com vasos, latas de refrigerantes, panelas e frigideiras. A estrela também confirma que um incidente no qual o galã ficou com um corte profundo (a imagem pode chocar) num dos dedos indicadores resultou de uma agressão com uma garrafa de vidro que se partiu. A determinada altura, até chega a fazer pouco do companheiro por ser “um bebé” e por se afastar dos confrontos físicos.

Os clipes de som, que entretanto se tornaram virais, não exoneram o artista. Heard também faz referência a episódios de violência iniciados pelo ator, e ele não a contradiz. Aquilo que cada um deles fez ou deixou de fazer só lhes diz respeito a eles e às suas respetivas equipas legais. Contudo, a forma como o caso foi tratado revela uma verdade feia sobre os movimentos e campanhas online, que muitas vezes são unilaterais. 

Quando somos condicionados a acreditar automaticamente no acusador, ignorando que as relações têm áreas cinzentas, especialmente quando chegam ao fim, o princípio de que uma pessoa é “inocente até que se prove o contrário” é atirado pela janela.

É primordial, sim, que as vítimas de violência doméstica procurem ajuda e tenham acesso a todo o apoio e recursos necessários. Contudo, o que Amber Heard fez ao usar a sua plataforma para acusar o ex de crimes de que ela também será culpada representa um desserviço à causa que diz defender. 

Os homens podem ser as vítimas. As mulheres podem ser as agressoras. A situação devia, no mínimo, levar o #MeToo (e outras iniciativas do género) a fazer uma reflexão sobre como a narrativa atual cria uma imagem irrealista do sexo feminino como angelical e frágil, ignorando um facto importante: as mulheres também podem errar. 

Palavras-chave

Relacionados

Faits Divers

A fertilidade de Taylor Swift não é da nossa conta

Nas vésperas do 30º aniversário da cantora, um vlogger tweetou que "90% dos seus óvulos já foram à vida".

Faits Divers

Vamos desmistificar o mito da virgindade?

Recentemente, o rapper T.I. gerou controvérsia ao revelar que submete a filha, de 18 anos, a exames anuais para verificar se ela ainda é virgem.

Lifestyle

5 experiências únicas que pode ter em São Tomé e Príncipe

Visitar São Tomé é regressar ao passado e, em simultâneo, parar no tempo. Tudo com a certeza de que um dia voltamos, e trazemos na bagagem lembranças para toda a vida.

Mais no portal

Mulheres Inspiradoras

Carmo Sousa Lara: "Às vezes, estamos muito agarradas ao reforço negativo"

A nossa primeira Conversa Inspiradora chega no dia 8 de março e é sobre o corpo. O corpo da mulher real. O corpo que ainda é poucas vezes capa de revista.

Imagem de Sucesso

Saiba como escolher os modelos de óculos de sol que mais valorizam o seu rosto

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso partilho algumas dicas para que escolher eyewear nunca mais seja uma dor de cabeça.

Moda

Os 8 tipos de cuecas que todas as mulheres devem ter

De modelos estilo biquíni as tangas clássicas, estas são as peças nas quais deve investir.

Comportamento

Mais de metade dos portugueses não se veem a viver sem carro

Seis em cada 10 portugueses consideram o automóvel insubstituível, mas em 2017 eram 8 em 10. A descida deve-se à crise pandémica.

Moda

Estas peças elegantes são ótimos investimentos para a primavera

Veja as sugestões que encontrámos nas lojas online da Zara, Mango e H&M.

Mulheres Inspiradoras

Guerra aos filtros: estas influencers mostram a beleza de peles reais

Depois do positivismo corporal, o movimento do "skin positivity" começa a ganhar cada vez mais força nas redes sociais.

Beleza

É suposto deixarmos passar algum tempo entre a aplicação dos produtos de skincare?

Trinta segundos? Sessenta segundos? Zero? Saiba o que dizem os especialistas.

Moda

Irina Shayk mostra como usar a tendência das calças de pele com visual rock 'n roll

A peça de eleição da modelo é de uma marca que as portuguesas conhecem bem.

Saúde

Estudo sugere que grávidas podem transmitir anticorpos contra a COVID-19 aos bebés

Uma investigação publicada recentemente pode ajudar (e muito!) na estratégia de vacinação das grávidas em todo o mundo.

Beleza

O erro que comete sempre que aplica o seu hidratante de rosto favorito

Existe uma forma muito simples de potencializar a eficácia dos produtos de skincare.

Beleza

Qual é o melhor contorno para o seu tipo de rosto?

Esclarecemos todas as dúvidas sobre como adaptar a técnica de maquilhagem aos seus traços.

Moda

Estas malas aparentam ser bem mais dispendiosas do que realmente são

Saiba o que procurar nas lojas para investir em artigos que são facilmente confundidos com peças de alta-costura.