“O teu cabelo parece a estrada para a minha casa”. Eu andava na escola primária quando ouvi este comentário, vindo de um colega branco, sobre as minhas tranças corridas. Se a memória não me falha, foi a primeira vez que senti vergonha do meu cabelo natural – e o motivo para evitar esse penteado durante a minha infância e adolescência. 

“Ah, mas é só cabelo. É assim tão importante?Sim! Durante muito tempo, os padrões de beleza ocidentais foram os grandes responsáveis pelo facto de o nosso cabelo, especialmente as texturas mais crespas, ser ridicularizado e alvo de microagressões que exalam, no mínimo, ignorância.

“O teu cabelo parece um esfregão de arame”; “Como é que consegues lavar isso“? Deve dar muito trabalho” e “O teu cabelo é demasiado étnico para este trabalho” são apenas alguns exemplos de reações ouvidas aqui, em Portugal, por mim e por pessoas próximas. 

Um problema global

Lá fora, infelizmente, é comum que um indivíduo seja considerado “pouco profissional” e chegue a perder oportunidades de trabalho por conta de algo que parece ser tão insignificante. A 15 de setembro de 2016, por exemplo, o estado do Alabama aprovou uma lei que permite que as empresas neguem empregos a pessoas com rastas.

Exatamente um ano depois — não é coincidência — a ativista Michelle de Leon viu os seus esforços no sentido de criar um Dia Mundial do Afro reconhecidos pelo Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Nascia assim uma data comemorativa que, para além de celebrar os cabelos naturais de pessoas negras e mestiças, pretende educar, consciencializar e promover a mudança de mentalidades.

“Temos de explicar ao mundo que o cabelo afro merece tanta liberdade e qualidade quanto qualquer outro tipo. Que o nosso cabelo não devia ser esta luta, esta batalha, esta área de discriminação”, disse Michelle ao site Stylist.

Rumo à aceitação

Graças à nova vaga de ‘naturalistas’ e ao momento de promoção do amor-próprio que vivemos (e que está a ser adotado pelas indústrias da moda e da beleza), as novas gerações vão crescer com os conceitos de diversidade e representatividade bem mais presentes do que a minha.

Contudo, ainda há muito trabalho pela frente. Prova disso é que um estudo recente realizado nos EUA evidencia que os cabelos naturais, quer sejam fartas cabeleiras afro, tranças ou rastas, criam dificuldades para conseguir uma entrevista de emprego, perpetuando a discriminação racial.

Portanto, sim, o Dia do Cabelo Afro é necessário e não deveria incomodar ninguém. E sempre que me perguntarem “Mas isto é assim tão importante?”, a minha resposta será sim. Sim, especialmente enquanto este ainda for um dos aspetos da luta pela igualdade.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Beleza

Afros e flores: a combinação perfeita para festivais de verão

Com estes adornos, quem é que precisa de filtros do Snapchat?

Moda

Os anjos também têm afro

A modelo angolana Maria Borges fez história ao desfilar para a Victoria’s Secret com o seu cabelo natural e chamou a atenção para um movimento de aceitação que começou nos Estados Unidos e tem agora expressão por todo o mundo.

Beleza

Cabelos naturais: o fator encolhimento é bastante real

Desengane-se se pensa que os cabelos afro nunca passam do mesmo tamanho.

Mais no portal

Lifestyle

Sem gordura ou lactose e com 25g de proteína: eis as novidades Mimosa

A marca renovou a gama Proteína. Conheça as novidades!

Beleza

5 dicas para prevenir o acne na idade adulta

Não deixe que as borbulhas se tornem um problema.

Celebridades

Quatro meses após ser pai, Jason Derulo separa-se da namorada

O artista estaria numa relação com Jena Frumes desde março de 2020.

Saúde

Estes alimentos são ricos em vitamina C

Inclua-os na sua dieta.

Saúde

Covid-19: o que muda a partir de 1 de outubro?

Conheça as novas medidas.

Moda

Natura lança coleção de outono/ inverno

Fique a par das novidades.

Comportamento

Homens têm 16% mais tendência que as mulheres a achar a traição aceitável

Revela um estudo da BBC.

Lifestyle

Quando a paixão pela cozinha e pela preservação do meio ambiente se unem... isto é o que acontece

Conheça a história por detrás da IBAU!

Moda

As 12 peças de vestuário Parfois que vai querer usar este outono

Desde coletes a casacos.

Saúde

7 sinais físicos que indicam que está mais stressado do que pensa

Esteja atento ao que o seu corpo lhe diz.

Moda

Carolina Patrocínio mostra as peças da nova Puma Studio Collection

Peças pensadas para total liberdade de movimentos e que podem ser conjugadas entre si.

Moda

Ponchos em burel: tradição e design de mãos dadas para este outono

Os ponchos (165€) reavivam padrões clássicos com cores esbatidas, tons terra e outros mais coloridos para animar os dias mais cinzentos.