@maccosmetics

Famosamente, Audrey Hepburn disse: “Existe um tom de vermelho para cada mulher”. E todos eles chegaram à política nacional, através do hashtag #VermelhoEmBelém, numa onda de solidariedade para com Marisa Matias.

A iniciativa surgiu como resposta à opinião de um dos candidatos à Presidência da República, que decidiu criticar, entre outras coisas, os “lábios muito vermelhos” da adversária. O tiro saiu-lhe pela culatra e acabou por transformar o batom vermelho numa arma empunhada pelos utilizadores das redes sociais, incluindo inúmeras figuras públicas, para apoiar a eurodeputada.

Situações como esta mostram-nos que um batom não é ‘só um batom’, especialmente o vermelho. Aliás, a relação das mulheres com o cosmético está enraizada na História, sendo que este era usado como uma tática feminista para ‘aterrorizar’ os inimigos da causa como, por exemplo, Adolf Hitler. O antigo líder do Partido Nazista, que foi o principal instigador da Segunda Guerra Mundial na Europa, abominava o batom vermelho e, por isso mesmo, nos Países Aliados, aplicar o produto nos lábios era visto como uma afirmação contra o fascismo. 

Vermelho sufragista

Nos Estados Unidos, o essencial de beleza ganhou uma popularidade nunca antes vista quando as mulheres começaram a marchar pelo direito ao voto, passando a fazer parte do uniforme das sufragistas. A cor ousada e destemida era feminina e, simultaneamente, desafiadora e poderosa. Tornou-se um símbolo de força num período em que os homens tentavam monopolizá-la. 

“De modo a atraírem mais notoriedade e atenção para a causa, algumas mulheres usavam batom em eventos públicos. Isto era visto como a marca de uma mulher independente e emancipada, o que na altura era muito escandaloso”, explica a historiadora de cosméticos Gabriela Hernandez ao site Real Simple. “Esta ação subversiva acarretou censura dos homens e de algumas mulheres, que consideravam essas mulheres moralmente deficientes“.

Elizabeth Arden

Em 1912, uma marcha com milhares de sufragistas passou pelo salão de Elizabeth Arden em Nova Iorque. A fundadora da conhecida marca de cosméticos, que tinha lançado o negócio dois anos antes, apoiava o movimento e  deu o seu contributo ao oferecer tubos de batom vermelho às manifestantes. As líderes Elizabeth Cady Stanton e Charlotte Perkins Gilman adoravam o produto pela sua capacidade de chocar os homens e, por conseguinte, as militantes adotaram-no em massa, como sinal de rebelião e libertação.

Não demorou muito para que o batom vermelho começasse a ganhar popularidade noutros países, incluindo o Reino Unido. À medida que os movimentos pelos direitos das mulheres se espalharam pelo mundo, a líder sufragista britânica Emmeline Pankhurst também passou a usá-lo, ajudando a estender a escolha simbólica a outras ativistas.

Mas porquê o vermelho?

Gabriela Hernandez acredita que, de todas as cores, o vermelho tem tamanha ligação à História da Humanidade porque é “a cor da vida; do rubor natural de sangue que faz com que alguém pareça saudável e desejável”. De acordo com a historiadora de cosméticos, nesta altura, o batom chegou mesmo a ser o cosmético mais usado pelo público feminino, graças ao preço acessível.

“Depois da guerra, o número de solteiros elegíveis diminuiu e as mulheres foram forçadas a entrar no mercado de trabalho. Elas faziam o próprio dinheiro e podiam comprar cosméticos”, explica ao site Real Simple, acrescentando que o produto não só era um símbolo de poder através da aparência, como de que a mulher podia comprar algo para realçar a sua beleza sem depender de ninguém.

Da “Dama de Ferro” britânica Margaret Thatcher, passando pela congressista americana Alexandria Ocasio-Cortez, à candidata à Presidência da República Marisa Matias, mais recentemente, as mulheres em posições de poder continuaram a pintar os lábios de vermelho. 

Hoje, espera-se que a cor transmita a mesma sensação de confiança a quem escolhe usá-la, independentemente do que diz a História. Contudo, é importante termos consciência de que o batom vermelho também é um símbolo de poder e que este produto indispensável para tantas está intrinsecamente ligado à luta pela igualdade de direitos.

Palavras-chave

Relacionados

Faits Divers

A sério que ainda julgamos as mulheres pelo número de namorados que tiveram?

Michael B. Jordan tem uma nova namorada, cujo historial romântico está a dar que falar nas redes sociais. Curiosamente, pouco ou nada se diz sobre o passado do ator.

Faits Divers

O movimento #MeToo falhou a Johnny Depp

Após trocas de acusações de violência doméstica e de o ator ter ficado com a reputação manchada, veio a público que Heard (também) agredia o agora ex-marido.

Faits Divers

Vamos desmistificar o mito da virgindade?

Recentemente, o rapper T.I. gerou controvérsia ao revelar que submete a filha, de 18 anos, a exames anuais para verificar se ela ainda é virgem.

Mais no portal

Imagem de Sucesso

As regras de estilo para escolher "looks" mais frescos sem descurar a elegância

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Diz Quem Sabe

Ervilha amarela: uma nova alternativa aos alimentos de origem animal?

Um artigo de opinião assinado pela nutricionista Ana Leonor Perdigão.

Diz Quem Sabe

Tudo o que precisa de saber sobre a reabilitação oncológica

Um artigo de opinião assinado pelo médico Énio Pestana, do Hospital CUF Cascais, sobre este tipo de cuidados.

Saúde

Podcast: Sandra Gomes Silva responde às nossas questões sobre vegetarianismo

Os prós e os contras de um tipo de alimentação que leva em conta preocupações éticas e ambientais. Afinal, precisamos mesmo da carne para sermos saudáveis?

Saúde

O vegetarianismo melhora a vida sexual? Eis o que diz a Ciência

Não podemos subestimar o poder de uma dieta à base de plantas.

Mulheres Inspiradoras

Tem mesmo de conhecer estas ambientalistas portuguesas

Aqui ficam alguns exemplos de mulheres que renovam diariamente o compromisso de conservação e preservação ambiental.

Beleza

Conheça as grandes vantagens dos champôs sólidos

Preparámos também uma lista de produtos que pode incluir na sua rotina de cuidados capilares.

Nas Bancas

Como salvar as suas plantas

Na ACTIVA Verde, já em banca, os conselhos para escolher e cuidar das suas plantas.

Nas Bancas

Este casal mostra-nos como é viver "fora da rede"

Uma casa de madeira foi o início da mudança.

Nas Bancas

Receitas (de chef): desperdício zero

Sabia que está a deitar fora uma das melhores partes dos seus legumes?

Comportamento

A sustentabilidade chegou ao sexo

Conheça quatro formas de ajudar a salvar o planeta entre quatro paredes.