Quero dizer-vos que o que me move é ajudar famílias a serem felizes. O que significa isto? Transformar famílias que sentem que ser mãe e pai está a ser difícil e que sentem que as expectativas que tinham antes de terem o bebé foram defraudadas e, por isso, a realidade que vivem é pesada, dura e, tantas vezes, desesperante.

Quero dizer-vos que o tal “manual de instruções” pode e deve sim estar nas vossas mãos. E que ele existe. Podem confiar e libertar-se dessas emoções de culpa, de stress, de frustração. Estamos aqui juntos e o que desejo é que eu possa fazer diferença na vossa jornada enquanto pais. Contem comigo. #estamosjuntos.

Hoje falaremos aqui sobre a pandemia que tanto alterou as nossas rotinas e a nossa própria forma de estar. Ou melhor, falaremos sobre a pandemia e a forma como ela afetou as nossas crianças.

Há testemunhos de pais que dizem que os seus filhos ficaram mais ansiosos e que esta experiência acabou por fazer com que eles tenham desenvolvido comportamentos extremos em relação à realidade, como por exemplo: crianças que começaram a desinfectar e lavar as mãos de forma compulsiva; outros que se recusam a entrar em espaços fechados como, por exemplo, no restaurante ou até centros comerciais com ou sem máscara. Há também outros casos de crianças que agora se recusam a sair de casa.

O que falamos aqui é, no geral, da palavra “medo”. Medo de contrair a doença, medo de morrer, medo da dor.

Aos pais que trabalham as suas famílias comigo, com frequência lhes pergunto: “O que é o contrário da vida’? A maior parte deles responde: a morte, certo? Foi também isso que pensou? O contrário de nascer é morrer, o contrário do nascimento é a morte. Mas o contrário da vida é o medo.

O medo é o que nos impede de viver. Faz sentido?

Então, seguimos esta lógica para falar destes casos e ajudar estas crianças, que muito naturalmente vão precisar da vossa ajuda, pais, nesta jornada para começarem a viver e se libertarem desse medo que, agora, de alguma forma, os impede de viver.

Aqui ficam 4 estratégias, que acredito que sejam fundamentais para que as crianças possam superar o medo que sentem em relação ao vírus:

– Assumir a emoção – medo: falar sobre o que está a acontecer com ela. Qual a emoção por detrás, o que ela sente. No fundo, o porquê da criança fazer o que faz.

– Ganhar consciência e refletir sobre o medo: a nossa missão é ajudar a criança ou até o jovem a ganhar consciência do porquê e se, efetivamente, há razões ou não para ter medo, ou seja, perceber se é um medo que faz sentido ou não.

– Fazer perguntas: “Filha, vamos pensar juntas? Se fores com máscara o que pode acontecer?”, “Se estás em casa e não tocas em nada de mais ninguém porque é preciso desinfetar as mãos?”. Fazer as perguntas certas ao invés de dizermos “Não podes estar sempre a desinfetar as mãos!”, é muito mais poderoso e produtivo.

– A nossa postura: ter atenção com aquilo que dizemos e fazemos quando falamos sobre o vírus. O que sentimos em relação a ele? Vivemos com medo de contrair a doença? Falamos demasiadas vezes do assunto? Tudo isso contribuirá para a falta de confiança e insegurança da criança.

Precisamos de uma vez por todas entender que aquilo que nós somos enquanto pessoas, agora também no papel de pais, influencia de forma brutal o comportamento dos nossos filhos e o “faz o que o que eu digo, não o que eu faço” não resulta, não resolve, não funciona.

Por isso, antes de aplicar estas 4 estratégias nos nossos filhos, pode valer muito a pena, começarmos por nós.

A família é uma rede invisível, quase como a fibra ótica, em que todos estão intimamente ligados e que, de forma muito poderosa, nos conectamos e absorvemos o que o outro sente e vive.

Obrigada por este bocadinho delicioso.

Sejam felizes em família,

Carolina Vale Quaresma

Facebook: https://www.facebook.com/carolinavalequaresma

Site: https://carolinavalequaresma.com/

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).