Um estudo recentemente publicado no British Medical Journal avaliou as dietas de 92915 japoneses considerados saudáveis, entre os 45 e os 74 anos, durante cerca de 15 anos. E as descobertas não poderiam ter sido mais entusiasmantes. Isto, claro, para os amantes da cozinha típica do Japão.

Ora, no geral, aqueles que consumiam regularmente produtos com soja fermentada, viviam mais anos. Isto inclui miso, molho de soja, mas também tempeh ou natto. Mas a investigação não se ficou por aqui: também quiseram saber qual a quantidade necessária para obter os melhores resultados.

No caso dos homens, aqueles que consumiam, pelo menos, 50,2g de soja fermentada por dia tinham menos 10% de probabilidades de morrer nos 14,8 anos seguintes do que aqueles que consumiam menos quantidades destes produtos. Já para as mulheres, estes benefícios eram obtidos com um consumo de 46,6g diárias, no mínimo.

Por si só, o consumo de natto, produto tradicional de aparência semelhante ao feijão e consistência pegajosa, mostrou trazer grandes benefícios à saúde. O estudo descobriu que os homens que consumiam, pelo menos, 26,2g diários, tinham menos 24% de risco de morrer de doença cardiovascular. No caso das mulheres, o mesmo consumo traduzia-se num risco 21% menor, comparado com as mulheres que ingeriam menores quantidades.

Os autores do estudo sugeriram que os resultados poderiam ficar a dever-se ao elevado teor de fibra dos produtos de soja fermentada, bem como ao facto de serem ricos em potássio. Ainda assim, referiram ser necessários mais estudos para estabelecer um padrão de causa-efeito concreto, já que outros fatores podem ter influenciado as descobertas da investigação.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Saúde

Estes são os óleos mais saudáveis para cozinhar

Fizemos uma lista para lhe poupar trabalho.

Saúde

Lavar o frango antes de cozinhar pode ser perigoso para a saúde

Entenda porquê.

Saúde

12 superalimentos que não podem faltar na sua cozinha

Camu camu, matcha ou baobab são apenas alguns dos nomes de superalimentos que vemos nas prateleiras das lojas de produtos naturais e que parecem saídos da imaginação de alguém que gosta de brincar com palavras. A nutricionista Lillian Barros diz-nos o que são e como incorporá-los na nossa alimentação.

Mais no portal

Comportamento

Porque é que os humanos fazem sexo? Estudo descobre 237 razões

De acordo com os autores, os resultados refutaram muitos estereótipos de género.

Moda

11 formas de usar blazers com calças de ganga neste outono

Inspire-se nestes visuais de influencers.

Activa Brand Studio

Estes são os visuais de Catarina Gouveia perfeitos para estarmos em casa... e fora!

Nas Bancas

A ACTIVA de novembro, com Eunice Muñoz na capa, já nas bancas!

Uma edição especial, que dá a conhecer a história de vida e as histórias do teatro da atriz.

Lifestyle

Sim, é possível fazer uma granola na frigideira

Opte pela versão caseira deste pequeno almoço apreciado por muitos, sem ter de recorrer ao forno. Simples e mais que saboroso!

Lifestyle

A felicidade é já aqui!

Uma escapadinha em família a menos de 30 minutos de Lisboa

Comportamento

As palavras gregas para amor incluem 7 tipos que podemos experienciar

Saiba quais são e no que consiste cada um deles.

Moda

Sweaters e saias: a fórmula mais simples e elegante para os meses de outono/inverno

Inspire-se nesta combinação elegante de peças para o dia a dia.

Comportamento

Saiba o que gemer (ou não) durante o sexo diz sobre si

Porque será que algumas pessoas são mais barulhentas que outras? Descubra a explicação para esta e outras questões e saiba como pode alterar a sua 'performance'.

Mulheres Inspiradoras

Alemã cria anticoncecional masculino inovador

Que funciona através de ultrassom.

Comportamento

Traição emocional: o que é e como saber se está a acontecer no seu relacionamento

Uma especialista explica quando é que amizades com terceiros podem ser ameaçadoras para uma relação amorosa.

Saúde

Afinal, o descafeinado é ou não saudável?

Entenda o processo de eliminação da cafeína e o respetivo nível de segurança.