@violeta_mangrinyan

Um “orgasmo de pele”: eis como Ainsley Hawthorn, especialista em estudos sensoriais, caracteriza o fenómeno frisson, isto é, os arrepios ou formigueiros que sentimos no corpo quando ouvimos uma música que nos emociona ou uma história impressionante. Mas não se fica por aí. Hawthorn decidiu investigar o modo como as personalidades das pessoas que os sentem são diferentes daquelas que nunca tiveram esta sensação.

Ora, comecemos por analisar aquilo que acontece no nosso corpo quando temos um “orgasmo de pele”. De acordo com as experiências de vários cientistas, dá-se um aumento do ritmo cardíaco e da atividade cerebral nos centros de recompensa, também associados ao prazer sexual ou alimentar, libertando dopamina. Ou seja, o nosso organismo reage de forma semelhante quando temos um orgasmo deste tipo e quando desempenhamos atividades básicas de sobrevivência.

Mas, afinal, o que diz sobre a nossa personalidade? Investigadores de Harvard analisaram os cérebros de 10 pessoas que costumavam experienciar o frisson de forma intensa com o de outras 10 que nunca tinham tido tal sensação. Os resultados mostraram que o primeiro grupo tinha um muito maior volume de conexões entre o córtex auditivo, onde se processa o som, e as áreas do cérebro responsáveis pela recompensa e emoções.

Além disto, descobriu-se que as pessoas que sentem os “orgasmos de pele” partilham um traço de personalidade: abertura à experiência. Segundo o psicólogo Mitchell Colver, “as pessoas que possuem este traço têm imaginação muito ativa, apreciam a beleza e a natureza, procuram novas experiências, refletem sobre os próprios sentimentos e gostam da diversidade“.

Por fim, o referido especialista sugere que o frisson não tem tanto a ver com a profundidade da emoção da pessoa num determinado momento, mas sim com o quão “imersos” estão em alguma experiência artística. No fundo, quanto mais concentrados estivermos na experiência, mais hipóteses teremos de ver o nosso corpo reagir à mesma através da famosa pele de galinha.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Comportamento

Porque é que os humanos fazem sexo? Estudo descobre 237 razões

De acordo com os autores, os resultados refutaram muitos estereótipos de género.

Moda

11 formas de usar blazers com calças de ganga neste outono

Inspire-se nestes visuais de influencers.

Activa Brand Studio

Estes são os visuais de Catarina Gouveia perfeitos para estarmos em casa... e fora!

Nas Bancas

A ACTIVA de novembro, com Eunice Muñoz na capa, já nas bancas!

Uma edição especial, que dá a conhecer a história de vida e as histórias do teatro da atriz.

Lifestyle

Sim, é possível fazer uma granola na frigideira

Opte pela versão caseira deste pequeno almoço apreciado por muitos, sem ter de recorrer ao forno. Simples e mais que saboroso!

Lifestyle

A felicidade é já aqui!

Uma escapadinha em família a menos de 30 minutos de Lisboa

Comportamento

As palavras gregas para amor incluem 7 tipos que podemos experienciar

Saiba quais são e no que consiste cada um deles.

Moda

Sweaters e saias: a fórmula mais simples e elegante para os meses de outono/inverno

Inspire-se nesta combinação elegante de peças para o dia a dia.

Comportamento

Saiba o que gemer (ou não) durante o sexo diz sobre si

Porque será que algumas pessoas são mais barulhentas que outras? Descubra a explicação para esta e outras questões e saiba como pode alterar a sua 'performance'.

Mulheres Inspiradoras

Alemã cria anticoncecional masculino inovador

Que funciona através de ultrassom.

Comportamento

Traição emocional: o que é e como saber se está a acontecer no seu relacionamento

Uma especialista explica quando é que amizades com terceiros podem ser ameaçadoras para uma relação amorosa.

Saúde

Afinal, o descafeinado é ou não saudável?

Entenda o processo de eliminação da cafeína e o respetivo nível de segurança.