Ângela Silva andou vários meses com dores abdominais, diarreia e uma sensação persistente de cansaço. “Sintomas que fui justificando com excessos alimentares”, recorda a jovem, na altura com 25 anos. Pouco depois, começou a emagrecer, a ter dores articulares e a perder sangue, o que a levou a procurar um médico. O diagnóstico acabaria por chegar, na sequência de uma colonoscopia. Ângela Silva tinha doença de Crohn, uma doença inflamatória do intestino que pode afetar qualquer parte do tubo digestivo, desde a boca ao ânus, e que, na maioria dos casos, acaba por alterar completamente o quotidiano dos doentes.

“Num minuto podemos estar bem e no seguinte ter dores insuportáveis”, constata Ângela Silva, que na época trabalhava na área do atendimento ao público. “Já adiei compromissos profissionais e pessoais porque, de um momento para o outro, deixei de conseguir andar. Isto sem falar nas vezes em que sujei a roupa, porque não cheguei atempadamente ao wc e tive de ir a casa, lavar-me e trocar de roupa”, diz, contando que a primeira coisa que faz quando chega a um novo sítio é procurar a casa de banho. “O meu dia é pensado ao pormenor de forma a minimizar o impacto da doença”, revela Ângela Silva, que, por causa da gravidade dos sintomas, se reformou por invalidez aos 28 anos.

As Doenças Inflamatórias do Intestino, nas quais se enquadra a Doença de Crohn de que Ângela Silva padece, afetam atualmente cerca de 25 mil pessoas em Portugal. “A incidência tem vindo a aumentar”, alerta a médica Marília Cravo, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia. “São doenças autoimunes do tubo digestivo em que o sistema imunológico dos indivíduos reconhece a microbiota intestinal como causadora de doença, como se de uma gastroenterite se tratasse”, afirma a especialista, explicando que estas patologias se manifestam de duas principais formas: a Doença de Crohn e a Colite Ulcerosa. Enquanto a primeira pode afetar qualquer zona do trato gastrointestinal, a segunda limita-se ao intestino grosso e ao reto.

A importância do acompanhamento médico

Pelo impacto que estas patologias têm na saúde e no bem-estar, é fundamental que, logo após o diagnóstico, os doentes sejam acompanhados com regularidade por um especialista. “No meu caso, o facto de ter uma médica sempre disponível diminui muito o impacto psicológico [da doença]. Sei que a qualquer hora ou dia tenho sempre a quem recorrer”, conta Ângela Silva, que é hoje, aos 40 anos, vice-presidente da Associação Crohn/Colite Portugal.

A gastrenterologista Marília Cravo sublinha que “o seguimento dos doentes é fundamental para avaliar a eficácia do tratamento e, na ausência de resposta, podermos alterar a terapêutica”. “Têm sido feitos muitos avanços de forma a garantir, cada vez mais, um melhor controlo da doença e uma redução significativa das suas complicações”, sublinha a médica.

Ao contrário de Ângela, nem todas as pessoas com doença inflamatória intestinal apresentam maioritariamente sintomas digestivos. Vera Gomes, de 41 anos, começou por ter reações alérgicas na pele, infeções urinárias e oculares. Só depois começou a “defecar muito, a ter vontade de ir à casa de banho e não fazer nada”. “A certa altura, tive uma acentuada perda de peso. Ia 30 a 40 vezes por dia à casa de banho”, conta, dizendo que seis meses depois dos primeiros sintomas lhe foi diagnosticada uma colite ulcerosa.

Nas fases em que a doença está mais ativa, Vera não consegue descansar durante a noite. “Cheguei a considerar dormir sentada na sanita, com a cabeça encostada à parede e uma manta nas pernas”, assume uma das fundadoras da associação Crohn/Colite Portugal. “Durante o dia, continuo a ir mais de 30 vezes por dia ao wc. Tenho períodos em que tenho de usar cueca-fralda para sair de casa e fazer coisas básicas, como comprar pão ou ir trabalhar”, conta.

Ao longo dos anos, o tratamento tem sido adaptado à doença, adianta a responsável. “Numa decisão conjunta com o meu médico, tentámos retirar a medicação, mas como não consegui manter a doença em remissão, tivemos de voltar à medicação inicial que me mantém em remissão”, relata Vera Gomes, que trabalha como coordenadora na Comissão Europeia, na área de Equality & Policy.

Nem sempre conseguiu conversar abertamente sobre a doença, admite. “As pessoas falam mais abertamente sobre sexo do que sobre aquilo que se passa no wc. Ninguém quer ouvir falar sobre cocó, sobre sujar as cuecas, sobre dores 24 horas por dia. Isso faz com que muitas pessoas se fechem”, afirma. “Estive quase 8 anos sem falar sobre o assunto, a não ser com pessoas próximas. Até ao dia em que percebi que não tenho que ter vergonha, nem sou menos pessoa por ter este tipo de doença.”

Sintomas que afetam também a família

As doenças inflamatórias do intestino acabam, também, por ter impacto na vida familiar, sobretudo quando os doentes são crianças. É o caso de Cátia Chatinho que teve de aprender a lidar com a Colite Ulcerosa da filha, Maria Luísa, diagnosticada com quatro anos. “Tentamos que [a doença] não afete muito o nosso dia-a-dia, mas está sempre presente”, assume a mãe. “Como ela era tão pequena, optámos por reunir com a equipa do jardim de infância para estabelecer uma ementa adequada”, recorda Cátia Chatinho, contando que hoje a filha, já com seis anos, sabe o que deve ou não comer e que medicamentos tomar.

A patologia acaba por estar presente até nos momentos de lazer da família. “Quando passeamos ou vamos à praia, temos o maior cuidado com o planeamento, nem que seja para saber onde há uma casa de banho ou se temos medicação suficiente”, conta Cátia, revelando que a doença da filha a ensinou a lidar com a ansiedade. “Aprendemos a viver um dia de cada vez.”

Depressão e ansiedade

As doenças inflamatórias do intestino também afetam psicologicamente os doentes. “Em fases de doença ativa, a prevalência de ansiedade e depressão ronda os 60% e os 30%, respetivamente”, diz a psicóloga Inês Trindade, explicando que o apoio de um profissional é “muito importante”. “Os processos inflamatórios estão relacionados com o aparecimento de sintomas depressivos que, por sua vez, alimentam a resposta inflamatória, num ciclo inflamação-depressão”, considera a especialista, adiantando que “existem psicoterapias eficazes na melhoria destes indicadores psicológicos”.

Perda de peso, dores nas articulações e descontrolo intestinal são alguns dos sintomas das doenças inflamatórias do intestino. Mas com o tratamento certo é possível minimizar o seu impacto.

Doença Inflamatória do Intestino em números

    • 24 mil doentes em Portugal

    • Média de Idade no diagnóstico, 34 anos

    • Em média um doente perde 25% de qualidade de vida

    • Causa de reforma antecipada: 55 anos Doentes Colite Ulcerosa (em média); 49 anos Doentes Doença de Crohn (em média)

Dados do Estudo de Custo e Carga da DII em Portugal.

Conteúdo patrocinado publicado na edição 381 da revista ACTIVA.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Os planos da princesa Ana e de Sir Timothy Laurence para o Dia dos Namorados

Os planos da princesa Ana e de Sir Timothy Laurence para o Dia dos Namorados

Stand-up comedy: O palco é deles e delas

Stand-up comedy: O palco é deles e delas

IRA: Os métodos, as polémicas e as suspeitas dos defensores radicais dos animais

IRA: Os métodos, as polémicas e as suspeitas dos defensores radicais dos animais

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

Quando a arte desaparece

Quando a arte desaparece

Quem trabalha na televisão?

Quem trabalha na televisão?

Enfermeiros em Viseu paralisam serviços e marcam nova greve para 24 de fevereiro

Enfermeiros em Viseu paralisam serviços e marcam nova greve para 24 de fevereiro

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Vasco Palmeirim afasta-se da televisão

Vasco Palmeirim afasta-se da televisão

Projeto Serra: Estas camisolas nasceram do amor à montanha

Projeto Serra: Estas camisolas nasceram do amor à montanha

Uma vénia ao ovo

Uma vénia ao ovo

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Porque as crianças estão sempre cheias de piolhos?

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Livros: 7 novidades e um passatempo

Livros: 7 novidades e um passatempo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

Ricardo Pereira ao volante de uma grande bomba

Ricardo Pereira ao volante de uma grande bomba

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina de lítio em Montalegre

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Investigadores imprimem enxertos de pele em 3D

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

"Quero explicar que não sou essa pessoa". Ex-comandante do Grupo Wagner da Rússia pede desculpa

"Achávamos que era uma relação saudável". Bárbara Branco sobre José Condessa

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Ministro da Saúde quer antecipar metas europeias no combate ao cancro

Ministro da Saúde quer antecipar metas europeias no combate ao cancro

Vicaima antecipa as principais tendências para 2023

Vicaima antecipa as principais tendências para 2023

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

YouTuber deixou o seu peixe jogar Switch. Peixe gastou dinheiro na eShop e revelou dados de cartão de crédito

YouTuber deixou o seu peixe jogar Switch. Peixe gastou dinheiro na eShop e revelou dados de cartão de crédito

Moda: Esquiar com estilo

Moda: Esquiar com estilo

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Cartazes de apelo ao voto

Cartazes de apelo ao voto

Shakespeare musical no Trindade

Shakespeare musical no Trindade

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena